16.8.2019

Por dificuldades técnicas, o hangout com a Mônica Camatti foi adiado para data que será anunciada na semana que vém.

A tal “lei do abuso de autoridade” prova que os nossos deputados e senadores não aceitam ser algemados.

https://brasil.elpais.com/brasil/2016/05/10/tecnologia/1462874046_524079.html?fbclid=IwAR1Lhy19TPv4n-VWIVJqnMk2oQwD8GsdiNOEmMzzSJpli57BzSK_gAO7l9E

Recebi do Marcos Sodré:

https://thefederalist.com/2019/04/29/authorities-arrest-canadian-father-refers-trans-child-real-sex/?fbclid=IwAR2sUiT2UHH2HrYMU1WDFbun3DOXw31PTvjdGUMtWmB_wJeN9wPzEhoNYBo

Isaac Newton disse que atribuir a ele uma teoria de que a matéria atrai a matéria (gravitação) sem a interferência de uma força alheia à gravitação seria insultá-lo. Isso significa que, no entender dele, a gravitação, por si, NADA EXPLICAVA. Era um fenômeno, não uma causa. ,Decorrido todo esse tempo, idiotas acadêmicos (sobretudo os que confiantes nos seus diplominhas se metem a discutir Newton comigo) continuam usando a gravitação como explicação causal de milhões de fenômenos.

O típico idiota científifico confunde sistematicamente a mera descrição matemática de um fenômeno com a sua explicação causal.

Quando entende a fórmula química da água acha que encontrou a explicação de por que existe água.

No Brasil, para ser filósofo você não precisa ter uma filosofia, e sim um diplominha assinado por alguém que também não tem filosofia nenhuma.

Divergência de opiniões temos com os amigos. Com os inimigos temos é uma luta pela sobrevivência.

Anúncios

15.8.2019

https://www.folhadelondrina.com.br/colunistas/paulo-briguet/o-homem-que-salvou-o-brasil-de-um-golpe-2957381e.html?fbclid=IwAR3R-lT4WN92IueisIccA8mhF-LGQUK1PIzMdJBjhy4gwA3OLPCbx5fbTkI

Discordo de MUITA coisa que ouço nos canais da Débora G. Barbosa e do Afonso de Vasconcelos Lopes. mas NADA deste munto vai me fazer enxergar más intenções neles ou diminuir o respeito e a admiração que tenho por ambos. Como poderia eu jamais divergir deles, se com frequência divirjo de mim mesmo?

O Dória diz que não é de direita nem de esquerda.Tem razão: ele não é de nada.

Hoje à noite vou ter um hangout com a Monica Mônica Camatti, mas pode atrasar um pouco porque ainda estou na estrada.

Frases imortais:
“Onde nasce a bananeira não floresce a civilização.”
(Márcia Sarcinelli)

11.8.2019

Leiam a entrevista do Toffoli na Veja e entenderão por que uns meses atrás a mídia inteira estava me xingando e me acusando — vejam só — de “dividir o governo”. Todo esse ódio vinha de uma causa só: eu estava fodendo com um projeto de golpe de Estado, com o qual a mídia colaborava sob o pretexto santinho de defender o governo Bolsonaro contra o perigoso Olavo.

Quer saber a verdade? Leia a mídia brasileira e inverta.

Macakim discutindo terra plana é como um porco-espinho lecionando cálculo.

Perguntar não ofende: Se o Movimento Bunda-Lelê não participou das preparações do abortado golpe anti-Bolsonaro, por que ficou tão brabo contra a “direita conspiratória” que as denunciou?

10.8.2019

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Carlos Nadalim, pessoas sorrindo, texto

O ex-presidente do PT, Rui Falcão, diz que o único lugar onde o Lula deveria estar é nos braços do povo. Talvez, pois só assim o povo poderia realizar o sonho de fazê-lo em pedaços.

Os escritos do Paulo Freire são apenas uma coleção de chavões de propaganda. Por isso ele é tão aplaudido por governos e instituições que, ao mesmo tempo, se resguardam cuidadosamente de adotar as suas lições.

Num país onde um político semi-analfabeto recebeu tantos títulos de Doutor Honoris Causa, é imprudente mencionar honrarias desse tipo como provas da competência intelectual de quem quer que seja, principalmente de um educador.

O Paulo Freire é um grande pedagogo. Ele educou o Lula e a Dilma.

Tiro certeiro da semana:

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

E não é que, pela enésima vez, o porra do Olavo tinha razão?

Hoje, sábado, 10 de agosto, NÃO HAVERÁ AULA DO COF, porque estarei fora da cidade. Voltaremos na semana que vem. Obrigado a todos pela atenção e pela paciência.

9.8.2019


Rafael Nogueira
8 de agosto de 2018

Recebo uma comenda (Comenda Paul Harris, do Rotary, oferecida pela amiga e aluna Jucilene) pelo meu trabalho pedagógico no dia em que o Curso Online de Filosofia do professor Olavo completa 10 anos, e eu completo esse decênio junto, como aluno, porque estive na aula inaugural. Que venham mais 10! Um abraço a todos os outros alunos e ao caríssimo professor Olavo de Carvalho, sem o qual o meu trabalho não teria o valor que tantas pessoas dizem que ele tem.

É estranho haver tanta discussão em torno da “teoria da terra plana”, quando a rigor essa teoria não existe ainda. Modelos hipotéticos imaginativos não são teorias. O que há, por enquanto, é um vasto — e, pelo menos até certo ponto, eficiente — esforço de desconstrução do paradigma copernicano, esférico-heliocêntrico. 
Essa discussão ainda vai longe.

O Brasil está repleto de analfabetos funcionais que, inevitavelmente, se sentem perdidos na língua informal — vulgar ou literária — e só se acham à vontade no idioma da sua profissão. 
Quando você lhes fala na língua de todos os dias, eles têm de traduzir as “imprecisões” para o seu idioma profissional e acham que com isso refutaram erros e denunciaram charlatanismos.

O tal Ricardo Carvalho, economista que diz ter sido meu aluno é um exemplo caracteristico.

Este vídeo é dedicado ao eruditíssimo Makakim:

Recordar é viver. Só por ter apoiado a quadrilha que manda em Cuba o Lula já mereceria a prisão.

E era eu quem “dividia o governo” ao falar desses filhos da puta, não era?

*

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

A amizade dos narcotraficantes com as mulheres de César não vem de hoje. Escrevi em 4 DE OUTUBRO DE 2015:

Em cerimônia na ABI, com apoio da OAB, William Lima da Silva, chefe do Comando Vermelho, disse, anos atrás:

“Conseguimos aquilo que a guerrilha não conseguiu: o apoio da população carente. Vou aos morros e vejo crianças com disposição, fumando e vendendo baseado. Futuramente, elas serão três milhões de adolescentes, que matarão vocês nas esquinas. Já pensou o que serão três milhões de adolescentes e dez milhões de desempregados em armas?”

Se, em contrapartida, eu disser “Já pensou o que serão treze milhões de trabalhadores honestos em armas contra a roubalheira petista?”, serei não apenas achincalhado pela mídia, mas preso e processado por apologia do crime.

Isso é um exemplo de quanto a “tolerância libertadora” pregada por Herbert Marcuse — toda a tolerância para com a esquerda, nenhuma para com a direita — se tornou DOUTRINA OFICIAL no país desde o governo FHC.

Depois dos filmes do Pezão, comprei um mais extravagante ainda: John Wayne fazendo o papel de… Gengis Khan!

Querem ver um filme bom? “Live by Night”, com Ben Afleck. Só perde o pique nos dez minutos finais, porque a narrativa até aí estava tão emocionante que o diretor não sabia mais como acabar a história.

8.8.2019

A porra da mídia chama de “olavette” qualquer deputadinho que eu nunca vi mais gordo, mas jamais chama por essa palavra os meus alunos que criam editoras, fazem filmes, encenam peças de teatro, dão mil e um cursos de línguas, de literatura, de história, e que com isso estão salvando da morte a cultura nacional estrangulada pelos Caggads.

O MBL só gosta do penteado do Kim Katakokinho.

Nas crenças coletivas — seja as da pré-História ou as da sociedade moderna, as do homem de Neaderthal ou as da classe acadêmica –, a verdade factual, mesmo repetidamente comprovada, tem muito menos força persuasiva do que a coerência estética e o conforto psicológico do imaginário. 
A verdade factual é propriedade exclusiva da consciência individual, da qual só partes mínimas, se tanto, acabam se incorporando nas crenças coletivas.

7.8.2019



A classe jornalística, no Brasil, é um órgão do Foro de São Paulo e nada mais.

Só quem nunca entrou numa redação de jornal pode imaginar que a raiva da mídia contra o governo vem das empresas. Vem dos jornalistas.

Donos de empresas jornalísticas não têm NENHUM poder sobre o pessoal das redações. Nenhum, absolutamente nenhum.

No tempo da ditadura, um general ligado aos órgãos de repressão foi informar a um diretor de jornal que na sua redação havia dezesseis colaboradores da guerrilha. Passados meses, eles ainda estavam lá. O general foi reclamar e o diretor do jornal respondeu:
— Se eu demitir dezesseis jornalistas de esquerda, meu jornal não sai nunca mais.
Isso foi no tempo da ditadura. Imaginem agora.

O poder da classe jornalística é maior que o do STF, o qual se apóia sobretudo nela.

Oficiais militares que nas suas academias fizeram cursos de “boas relações com a mídia” nunca perceberam que os professores desses cursos eram apenas esquerdistas empenhados em castrá-los.

Agora a moda entre os comunistas é xingar seus adversários de “ideológicos” e choramingar que “ideologia prejudica o comércio exterior”. Aprenderam a imitar, em seu proprito próprio, os cacoetes verbais do liberal-positivismo.

Aposto que NADA vai acontecer ao jornalista que prega o assassinato do presidente. Nada. Talvez uns resmungos.

 Kim Katakokinho tem a cara de pau de dizer que a reforma da previdência é TODO o programa de campanha do Bolsonaro, tudo o mais sendo “traição”.

Quanto mais crimes hediondos se acumulam na sua conta, mais os comunistas têm de se apegar à mentira auto-hipnótica de que representam o bem, a vida e a liberdade. O homem só pode se arrepender das culpas que ele suporta encarar de frente. As que superam a sua coragem de ver transmutam-se em delírio de grandeza. Toda a psicologia da esquerda nacional consiste nisso e em nada mais.

Não creio que seja correto e justo chamar de “sionista” o grupo de judeus bilionários aliados ao globalismo. Eles são inimigos de Israel.

https://www.facebook.com/commerce/products/2165300000194825/

Não me arrependo nem um pouco de haver humilhado intelectualmente tantos medalhões universitários e midiáticos. Não é possível devolver à vida uma cultura moribunda sem matar os vermes que devoram o seu corpo doente.

Só me arrependo de não haver dado mais atenção aos nossos ex-ministros da Educação. Deveria ter jogado na privada um por um.

Também me arrependo de, na juventude, haver lutado tanto contra e a favor da carne e do sangue, por não haver ainda percebido onde estavam os verdadeiros inimigos. Perdi muito tempo com dramas morais idiotas.

Será que esses professores imbecis cuja inépcia tornei visível nunca perceberam que só adquiri o nível de cultura suficiente para fazer isso com eles PRECISAMENTE PORQUE me recusei a ferquentar as universidades onde eles adquiriram sua DEFORMAÇÃO INTELECTUAL?

Nunca fui um autodidata. Tive excelentes mestres e conselheiros. Formei meu próprio corpo docente, que nunca me custou um tostão além de umas quantas passagens de avião.

Eric Voegelin ensina que, nas civilizações antigas, como Egito e Mesopotâmia, a idéia da “verdade” era idêntica à da ordem social vigente. A noção de uma verdade divina superior à sociedade e acessível à consciência individual mesmo CONTRA a ordem social só aparece na Grécia — primeiro no teatro, depois na vida de Sócrates — e se consolida no cristianismo.
Aqueles que hoje em dia se erguem contra qualquer idéia que vá contra o “establishment” pertencem ainda a uma fase civilizacional já superada há muitos milênios.

No estágio que fez nos EUA quando jovem, o Eric Voegelin descobriu que a ordem legal americana copiava quase que exatamente as regras do senso comum, os costumes do povão, ao contrário do que acontecia na Europa, onde os legisladores se entendiam como mestres e reformadores da sociedade, remodeladores do povo.
A ordem social americana refletia a “homoonoia”(para usar o termo de S. Paulo Apóstolo), a unidade espiritual do povo.
Nas últimas décadas, com a imigração forçada, a unidade espiritual vem se desfazendo e a intervenção do Estado modelador se torna cada vez mais intensa.
Notem que, no Brasil, a simples idéia de os legisladores obedecerem à vontade do povo soa escandalosa e “fascista”, o que já basta para explicar o sucesso dos grupos criminosos.

O vício mental mais óbvio dos cientistas profissionais em geral, especialmente os brasileiros. é que, de um lado, dão um alcance filosófico tremendo às descobertas da sua ciência e, de outro, quando contestados, recuam de volta ao sentido puramente tecnocientífico dos seus conceitos, transferindo a discussão para um terreno alheio ao da filosofia. Vigarice pura.

Do Carlos Morais:

A imagem pode conter: 1 pessoa, meme e texto

O sujeito tem de ser MUITO analfabeto para imaginar que o tal “pensamento conservador americano” (ou mesmo o inglês) exerceu alguma influência sobre a minha filosofia. Eu não tenho NADA a ver com essa coisa.

Como todo professor de filosofia no Brasil é importador de idéias e NENHUM tem qualquer pensamento original, todos esses animais logo imaginam que, vivendo nos EUA, devo ser discípulo de algum americano.

O único pensador americano que me ajudou em alguma coisa foi o John Deely, porque publicou edições do João Poinsot (João de Sto. Tomás), FILÓSOFO PORTUGUÊS.

Os filósofos que realmente me influenciaram são Platão e Aristóteles, Sto. Agostinho, Sto. Tomás, Poinsot, John Duns Scot, Leibniz, Schelling, Husserl, Lavelle e Voegelin. O único “anglo” nessa lista é o Scot, que aliás é o que estudei menos.

Dos brasileiros cujos bons conselhos me ajudaram nos estudos, destaco o Paulo Mercadante, o Vamireh Chacon, o Pe. Ladusãns (brasileiro de coração) e o Roberto Campos.

O Fruta não é a favor nem contra, muito antes pelo contrário.