Priscila Garcia

Na aba da dica do Renan Arruda, e aproveitando para dar uma “unhada desembainhada” nos detratores do Olavo de Carvalho – uma prática que eu considero, sempre, agradável e salutar – 🙂 :
Sabem o que vocês, esquerdalha assumida ou desassumida, mais detestam no Olavo? É que ele tenha REALMENTE alterado o ambiente político do Brasil.
ANTES dele, os direitistas deste país andavam de cabeça baixa, morrendo de MEDO até de se DECLARAR “de direita”. Tímidos, assustadiços, a esmagadora maioria desses direitistas ficava encabulada e muda, curvando-se polidamente e fazendo rapapés aos desaforados esquerdistas…
O Olavo DEU a esses direitistas AUTO-ESTIMA, vinda da certeza completa de que NÃO APENAS estão CORRETOS na sua maneira de pensar, mas que NUNCA deveriam ter adotado o procedimento timorato que antes adotavam.
A esquerdalha MORDE O COTOVELO, sabendo que o AMBIENTE político do Brasil se divide em ANTES e DEPOIS da ação do herói TENAZ que mudou TUDO – porque ALTEROU o paradigma comportamental dos direitistas no Brasil.
A comunalha e seus “simpatizantes” não vão PERDOAR isso, é claro. Nem podem, convenhamos… Tudo PARECIA tão organizadinho, tão plácido, tão GARANTIDO… E, de repente, o ambiente MUDA.
Deite a cabeça no travesseiro pensando NISTO, Olavo de Carvalho: foi graças ao SEU esforço que isto aconteceu.
Eu sei disto, os seus admiradores sabem disto – e a comunalha também, é claro, sabe disto. 🙂.
Deus o abençoe. Seu nome já consta dos anais da história do Brasil – seja lá qual for o destino que nos espera – como o de um verdadeiro patriota.
Muito obrigada.

Instituto Boeborema

Algumas pessoas mudaram de verdade a minha vida; mais recentemente eu posso citar quatro nomes: Mateus Mota Lima, Pedro Augusto, Caio Perozzo e Sávio Mota.

Seguramente, dos alunos do Olavo, uns dos mais talentosos, genuínos e de coração puro. Gente que eu confiaria, de olhos fechados, a minha própria família.

Responsáveis, diretamente, pela minha conversão. De uma generosidade que fica até difícil expôr aqui na internet, geralmente um meio onde brincamos mais do que abrimos o coração.

Recentemente, através do Instituto Borborema, eles criaram um mini-documentário intitulado “Quem somos”. É o nosso meio se desenvolvendo a olhos nus.

Assistam. De verdade. Eles são um desses raros exemplos de quem, em silêncio, estuda para mudar as coisas por aqui. 🙂

Quando aquela apresentadorazinha da CNN, cujo nome esqueci, teve uma explosão de histeria diante de um entrevistado que fazia troça das famosas testemunhas anônimas, e exclamou: “Você não tem o direito de fazer pouco de repórteres estelares!”, para mim já ficou imediatamente claro que era tudo um teatrinho mambembe.

Jardim das Aflições – O Filme

O cineasta pernambucano Josias Teófilo produziu um filme que está dando o que falar no submundo político e cultural brazuca.

Todo o estardalhaço se deve ao fato de que, em partes, sua obra é sobre o filósofo Olavo de Carvalho e, em partes, porque o filme versa sobre um capítulo do livro que dá nome a película da discórdia que, por sua deixa, também é da autoria do referido professor.

O livro em questão – O Jardim das Aflições – é uma obra prima que merece ser lido e estudado com muitíssima atenção. Tongo de quem fizer beicinho ideológico e não lê-lo.

Quando ao filme, confesso: estou ansiosíssimo para assisti-lo. Não apenas por ser sobre esse livro que a muito estudei, nem tão só por ter como personagem central o professor Olavo com quem tanto aprendi (e com quem até hoje aprendo muito). Mas porque a censura velada, o boicote canalha e vilania insidiosa que está sendo promovida pela esquerdalha de todas as estirpes contra o filme – que eles não viram – é de tal tamanho que apenas confirma que o filme deve ser do carvalho.

Parênteses: é assim que funciona o senso de liberdade de expressão dessa gente com duas mãos canhotas que se diz tão tolerante quanto democrática. Fecha parênteses.

E, bem provavelmente, muitíssimas pessoas devem estar matutando mais ou menos assim: se esses jacus ideologicamente pervertidos estão cuspindo e desmerecendo o referido filme isso é, com toda certeza, um indicativo de que ele deve ser muito bom, pois, como dizem os roceiros, quando certas pessoas nos insultam isso é um baita elogio.

Enfim, seja como for, que a canalhada continue a insultar, boicotar e a se borrar com o filme “O Jardim das Aflições” porque isso, vindo de gente desse naipe, é a maior consagração, o maior prêmio que o talento pode receber duma ignara massa de medíocres presunçosos.

Obs.: 30 de maio, tanto Josias Teófilo quanto Olavo de Carvalho estarão no The Noite para serem entrevistados por Danilo Gentili. Isso mesmo! 30 de maio.

http://redesuldenoticias.com.br/noticias/18_05_2017_jardim_das_aflicoes_-_o_filme.htm

Rafael Falcón

Não sou olavete veterano: quando cheguei ao Olavo de Carvalho, ele já estava fora do Brasil. Choraminguei um pouco essa mágoa, mas tive sorte de pegar o começo do COF e assistir enquanto um bando de joões-ninguém ia crescendo, eu incluso, e de repente um blogueiro meio esquisito virava o Felipe Moura Brasil, um sujeito cuja foto era Aristóteles com camisa de futebol se revelava o Renan Martins dos Santos, etc.

De certo modo, olhávamos para nós mesmos como aquelas bandas de garagem. Nós nos víamos como amadores, e estávamos até certo ponto brincando de intelectuais. Então veio o Mínimo, e tudo mudou. Era impossível ignorar a seriedade do que estava acontecendo. Olavo não estava mais falando só para uns poucos; estava criando uma comunidade.

O Jardim das Aflições marcará uma fase nova para essa comunidade, que anos atrás um amigo, inteligente mas imprevidente, chamou com desprezo de “gueto”, comparando-a às elevações intelectuais da vida universitária. A partir de agora, o “gueto”, que já era uma comunidade ampla de leitores, será o Brasil inteiro. Por meio de uma obra de arte, Olavo deixará o estatuto de “best-seller” para tornar-se, de uma vez por todas, um símbolo.

Como poderíamos pedir mais? Tudo o que queríamos que fosse ouvido e levado a sério, durante esses anos em que fomos tratados como esquisitões ou simples loucos, agora o será. Acima de tudo, os que sofremos por ver como a verdade era achincalhada na pessoa do nosso professor, festejamos agora que alguma justiça lhe será feita perante o público. Neste mundo podre, em que o mérito tão poucas vezes é reconhecido, há maior vitória para celebrar?

O Jardim das Aflições

Olavo de Carvalho

Três vezes o hímen esquerdista foi arrombado: com “O Imbecil Coletivo”, com “O Mínimo” e com o filme do Josias. Acho que agora nenhum cirurgião plástico vai mais aceitar o caso.

*

Rodrigo Constantino também se pronunciou.

 

*

A baixaria não para

Josias Teófilo

Um dos diretores que retiraram o filme do Cine PE ameaçou agredir fisicamente Idelber Avelar porque ele se posicionou contra a censura ao meu filme.

*

Entrevista com Josias Teófilo no Jornal do Commercio
http://jconline.ne10.uol.com.br/…/josias-teofilo-se-diz-vit…
*
O Jardim das Aflições é tema na Jovem Pan. Comentários muito lúcidos.
https://www.youtube.com/watch?v=IuYgAesD0Dc
*

Estamos também na versão impressa da Folha de São Paulo de hoje!

http://www1.folha.uol.com.br/…/1883086-protesto-contra-film…

Cortesia do Rodney Eloy.

18485520_1196206233842330_8131253512809266268_n

Marlon Belotti

Diálogo:
— O que seria da gente sem a influência do mestre Olavo?
— Uns perdidos

Aretusa Cássia Gobbo Se não fosse esse grande homem estaríamos como peixes que não vêem a água a qual estão submergidos.
Marluce Marchi Alana, no dia que você fizer algo, que ninguém jamais fez, ter ideias que ninguém nunca teve, ser a primeira a falar sobre assuntos como o Foro de SP e alertar uma sociedade inteira sobre isso, ai você pode começar a achar que pensa por si só, e não é influenciada por nada!
Clarice Agnelo Pior que é né. Poxa, depois que comecei a acompanhá-lo cresci qse que instantaneamente. Devo muito a ele e ao Pe Paulo Padre Paulo Ricardo.
Damião Almeida Certeza! Até o Padre Paulo Ricardo só ficou sabendo do esquema comunista através do professor Olavo.
Daniel Bastos Nem sei…
JS Cesar Uns peidos.
Abidiel Machado hum………. sem Prof. Olavo de Carvalho estaríamos sendo fodidos até o presente momento sem saber quem estaria a nos arrombar e por que , com Olavo temos ciência de quem fazendo e o motivo. Agora, podemos seguramente tatear nossos cus e saber que as pregas já se foram a muito tempo pois até então era impossível conceber tal atino.
Lucília Coutinho Vc teve a honra de fazer curso presencial com ele. Eu o conheci pelos artigos da Bravo! no fim dos anos 1990. Apaixonei-me de imediato. Na época, fazia pos grad na eca-usp e comentei de coisas que li dele. Concordaram até saberem que eram dele. DepoisVer mais
José Lindomar Cabral da Costa Gosto muito do Olavo e do pessoal que merecidamente o cultua, mas não foi com ele que aprendi a pensar segundo eu mesmo… Foi comigo.
Aretusa Cássia Gobbo Estaríamos lascados!!!
Lucas Pinherio Santos O Brasil já teria virado uma Coréia do Norte tropical
Marie Asmar Perdidos no sentido mais profundo da palavra
Rubens Carneiro eu estaria PHODIDO.
Rubens Carneiro O COF foi a melhor coisa que fiz até agora na vida.

Pedro Agudo Ferraz

O meu velho professor escreveu dezenas de bons livros, centenas de excelentes artigos e milhares de páginas do melhor curso de filosofia que já existiu no Brasil.
Ele levou uma multidão a conhecer e amar a Fé Católica e ensinou o Brasil inteiro que vivemos sob uma hegemonia cultural socialista.
Olavo de Carvalho fez tudo isso SOZINHO. Fez com seu próprio sacrifício e paciência, sem o investimento de nenhum movimento ou grupo. Teve a ajuda somente de Nossa Senhora.

Eu, que tenho consciência da minha bostísse, que não fiz ainda nem 2% do bem que o professor já fez, imagino como seria ridículo e soberbo caso saísse atacando publicamente o cara que mais ajuda o Brasil sem dar ao menos o benefício da dúvida.

Isto aqui não é uma indireta para ninguém do meu perfil, mas uma direta caridosa tentando lembrar todos os bons católicos que devemos julgar uma árvore pelos frutos.

 

O bom senso ainda não foi totalmente exterminado no Brasil: — com Pedro Agudo Ferraz.

Mônica Camatti

Mônica Camatti Professor Olavo, poderia dar uma olhadinha nos meus últimos posts? É um presente pra você.
Olavo de Carvalho Mônica Camatti Você quer mesmo derreter o meu coração.

Mônica Camatti

Todo forma de linguagem é um símbolo que comunica uma sentença sobre a realidade, e a veracidade ou falseabilidade da linguagem é comprovada através da medida de correspondência entre ela e a realidade. A veracidade de um símbolo ou sentença é a adequada correspondência entre ele e as coisas reais, os fatos. Mas a Verdade em Si mesma, total e absoluta, que é a essência de Deus (a Santíssima Trindade) é um mistério que não pode ser conhecido apenas em raciocínio, pensamento, imaginação, sentimento, e nem mesmo expresso com objetividade cabal em símbolos.

Todas as imagens e ícones que possuímos, por exemplo, existem para nos recordar sobre a Verdade, também são símbolos verídicos dela, que contam uma narrativa sobre ela, tal como os escritos que lemos e os sermões que ouvimos. Imagens, ícones, textos e discursos possuem a mesma finalidade na Igreja: contar uma narrativa verídica sobre a Verdade que reside na realidade. Tal Verdade não está presa à Imagem, ao Ícone, às Escrituras ou às Homilias: Estes são recursos dignos de confiança, são símbolos da veracidade que nos apontam para o Caminho, a Verdade e a Vida na realidade e na totalidade da existência.

Então, para alcançá-la no real, é preciso saber que ela não está presa em tais símbolos e recursos, pois eles são apenas como um dedo apontando para onde a Verdade está habitando de facto: na realidade da vida em sua totalidade. Você precisa achá-la pessoalmente, como fizeram os Santos, os Mártires e os Apóstolos. E é por isso que insisto e passarei a vida insistindo tanto na reconstrução do imaginário através do contos de fadas, da boa literatura, dos clássicos, das fábulas, das histórias dos antepassados e dos contos sobre o cotidiano e causos de experiências de vida: sem um imaginário rico de simbologias verdadeiras sobre o bem e o mal, o belo e o feio, o justo e o injusto, dificilmente alguém será capaz de lidar ou chegar a compreender com clareza conceitos puros de teologia e filosofia, ou mesmo outras ciências. Muito menos saber como lidar com eles.

A precocidade juvenil em querer julgar o mundo sem antes tê-lo vivido e experimentado em suas múltiplas particularidades e singularidades é muito perigosa. Chega ao ponto de a pessoa não compreender o porquê de a Sã Doutrina ser intransigente, objetiva e rigorosa nos princípios, mas benevolente, misericordiosa e branda na prática e execução deles. Falta a vocês, meus queridos, não muitas mais leituras ou estudos: falta sendo de realidade, falta sofrimento, falta dor, falta compromisso com o próximo, falta limpar feridas, falta lidar com as almas padecentes fora de uma tela, falta discernimento sobre o real estado de sua própria alma, falta contrição e lágrimas, falta trabalho, falta louça pra lavar, falta um roçado para carpir, falta correr no campo, falta conversar com os humildes e simples, falta lidar com doentes, falta cuidar de idosos e de bebês, falta aprender a amar, para se despreender um pouco das enormidades maléficas de estar preso à própria subjetividade, preso à idolatria ao passado, à ilusão de coletivismos grupais e de perfeição materialista, falta arrancar de si as paixões por sua própria reverberação mental e pelos escrúpulos de lidar com pensamentos e falhas alheias com uma leviandade punitiva, cruel, infantil ou simplesmente demoníaca.

https://www.facebook.com/moniecamatti/posts/293625291092534

Mônica Camatti Eis aí uma bela síntese de coisas que o senhor ensina, mas quase ninguém entende, não é verdade? Eu entendi simplesmente porque o Bom D’us (imerecidamente) me concedeu um coração puro e uma consciência reta, e para honrá-lO eu vou continuar estudando e servindo cada vez melhor as almas. Todo o seu esforço e sofrimento, Prof. Olavo de Carvalho, valeu a pena!, pois o senhor ajudou a construir o espírito da minha família com o Vinícius Camatti e eu vou criar meus filhos como guerreiros de Deus, por conta do que aprendi contigo. Nenhuma obra ou palavra minha poderá agradecê-lo por ter resgatado tantas almas. O senhor foi um verdadeiro apóstolo para nós. Sua alma merece o Céu por toda a eternidade, e lá brincaremos juntos como crianças, ao lado de nossa Mãe Santíssima e dos Santos. Obrigada por ter sido corajoso e por ter enfrentado tudo para chegar até minha geração. O senhor não será esquecido nunca por sua bondade e pela doçura dos seus fruto

Paulo Coutinho

Paulo Coutinho

“Como a falta da Alta Cultura não faz nada além de repetir histórias, e dissolver a capacidade de raciocínio e sensibilidade da população?

Acredito que tenha uma simples reposta para essa pergunta através da série “Os dias eram assim”, da Globo. É a mesma história há 50 anos, reparem. Ditadura, “Anos de Chumbo”, Tortura, e blá-blá-blá.

Então, por que a história é sempre a mesma? Certamente daqui a 50 anos uma outra geração repetirá essa mesma ladainha. Por que não falam de outros assuntos? É só porque não querem, ou realmente não têm cultura nem conhecimento (estudo) para abordar outros temas? Não é nem porque são pessoas com pensamentos divergentes ao meu. Por anos simplesmente desprezei o conhecimento.

Por que não existe uma série, por exemplo, explicando à fundo como em 1981, ano que nasci, tínhamos próximo a 8 mil homicídios anuais, e agora, passados 36 anos, temos 8x mais, beirando os 70 mil? A população sequer duplicou. E isso em pleno Estatuto do Desarmamento, vale lembrar.

Por que não existe uma peça de teatro explicando onde o respeito sumiu ao ponto de um aluno ameaçar, agredir, e até matar o professor? E olha que aprontei muito!

Por que não temos um livro explicando como a Revolução Sexual da década de 60 hoje é responsável por meninas de 13 anos engravidando, milhares de abortos anuais, e proliferação de DSTs? É um movimento cíclico!

Por que não temos uma reportagem séria explicando como o brasileiro se tornou insensível ao ponto de ver uma pessoa sendo agredida e, contrariamente à ajudar, saca um telefone para filmar e publicar no Facebook? Não consigo explicação para tal sadismo, e daria uma coça caso presenciasse algo assim!

Para mudar e curar realmente o país, devemos antes tratar da ojeriza ao conhecimento. Tomar amor pelo estudo. É difícil e leva tempo, mas é necessário começar esse trabalho o quanto antes – que com o tempo vira uma paixão. Enquanto incapazes estiverem com as rédeas em mãos, nosso Brasil sempre será o “País do Futuro”, que nada faz além de repetir histórias. Precisamos formar geração de pessoas capazes que realmente façam a diferença para mudar. Leva tempo. Bastante! “É urgente ter paciência.”

Aprendi e descobri a importância disso com o COF, acredito.”