the intellectual maverick

http://blog.acton.org/archives/104707-the-intellectual-maverick-behind-brazils-conservative-wave.html

The recent victory of the conservative populist Jair Bolsonaro in the Brazilian presidential elections brought the name of the philosopher Olavo de Carvalho to the center of Brazilian political debate. Many have since stated that Carvalho is an intellectual precursor to the populist candidate – as someone who was able to reshape the Brazilian political discussion in ways that cleared an intellectual path for Bolsonaro’s electoral victory. It is not a coincidence that when Bolsonaro gave his victory speech, Carvalho’s best-selling book The Minimum You Need to Know not to be an Idiot (2013), was in plain sight.

Carvalho’s influence over the Brazilian new right is indubitable. Many of his disciples supported Bolsonaro since the beginning. Some of them were elected to the Congress in the conservative wave that shifted Brazilian politics. So how was Carvalho able to provide public debate in ways that helped bring Bolsonaro to power?

First and foremost, Carvalho provided a political philosophy capable of structuring conservative ideas in ways that undermined the intellectual hegemony of the left.

Secondly, Carvalho was able to cultivate the image of an outsider: as an intellectual maverick who refused to follow the social norms imposed by the leftist media and the neo-Marxist academy. Even his opponents concede that he has an attractive personality and formidable speaking skills, so much so that he was able to cultivate thousands of followers and talk for hours without tiring his audience. In short, Carvalho has all it takes is to become an Internet personality.

But added to that is a third factor. While Carvalho is an internet personality, he also knows what he’s talking about. He can write about classics of philosophy or conspiracy theorists with the same resourcefulness. He can explain the thought of right-leaning intellectuals Eric Voegelin and Louis Lavelle as easily as he can recite entire passages of the Portuguese epic The Lusiadas. To a large extent, Carvalho played a crucial role in introducing a handful of conservative thinkers to the broader Brazilian public and was the first to warn of the problem of globalism and the way it was negatively shaping Brazilian political culture.

Carvalho’s philosophical positions are deep and have been developed over 30 years. Here, however, are two concepts which are critical to Carvalho’s and recent changes in Brazilian politics.

First, Carvalho believes that philosophy, since at least Rene Descartes, has broken with its Greek roots in the Socratic project. According to Carvalho, the philosophy developed initially by Socrates and his disciple Plato was based on the search for understanding the position of the individual in the universe. Therefore, individual experience is the raw material of philosophical reflection. By contrast, modern philosophy in the form in which it started to develop under Descartes abandoned this understanding of the importance of personal experience as a compass of philosophical construction in favor of an extreme introspection. Carvalho calls this displacement cognitive parallax.

Karl Marx is an excellent example of this phenomenon. Marx argues in his Critique of Hegel’s Philosophy of Right that the social reality of men conditions his consciousness; later, in his Theses on Feuerbach, he goes a little further and says that social reality determines our consciousness. In short, our position in society is defined by our role in the system of production and our ideas is determined by this position

The proletariat, according to Marx, is the only class capable of apprehending the reality of the historical process and contemplating reality beyond the illusion imposed by class ideology. But, we must ask ourselves, how is it that Marx, a non-proletarian, could have been the announcer of a truth that only a proletarian could contemplate? This elementary contradiction between philosophy and reality is the cognitive parallax.

Carvalho identified the most common and intense manifestation of cognitive parallax in a process he calls revolutionary mentality. This occurs when the mental framework of cognitive parallax is converted into a phenomenon of crowds. This has two characteristics. First, the revolutionary sets the hypothetical future which one he wants to realize as the parameter of the judgment of his actions. The past thus becomes irrelevant.  Second, the revolutionary inverts the subject and object positions; attacking the opponents of his future society and turning them in scapegoats who prevent him from achieving his plans.

In substance, then, the revolutionary process is unleashed through the systematic rejection of reality. The higher the level of alienation of the individual concerning to the reality that surrounds him, the higher will be the power exerted by the proposal to transform the present so that it confronts to an imaginary future.

These two concepts, Carvalho says, help us to understand the modern political debate. To the extent that the left came to exercise considerable power by guiding the political discussion, the disassociation between objective reality and ideas became more severe and clear. The post-modernist philosophers can be understood as the archetype of this process because for them all relations are essentially relations of power and all processes can only be interpreted as a process of domination. The possibility of objective truth and rational debate are consequently ruled out.

All of Carvalho’s works are a reaction against the introduction of the irrationalism of this philosophy which he sees as characterizing the revolutionary movement. From the beginning, Carvalho understood that the way to counter this revolutionary outlook that dominates the Brazilian left is to reestablish the bridges that enable human understanding: in other words, to reconnect the mind to objective reality.

By understanding the chaotic situation of the modern world and contemporary political discourse, Carvalho was able to restore real language and concern for objective reality into Brazilian political debate. This made possible the transformation of the diffuse underlying conservatism of much of the Brazilian population into political action. In this way, Carvalho was skillful enough to break the cultural hegemony of the left and help create the intellectual framework that enabled the flourishing of conservatism in Brazil.

Carvalho himself once said that every political revolution begins as an intellectual revolution. In this sense, we can say that Carvalho is the John the Baptist of Brazilian conservatism.

Homepage photo credit: Brasília –Filosofo Olavo de Carvalho em Bucareste. Wiki Commons.

Anúncios

Conservadorismo NÃO É a doutrina cristã

“Conservadorismo NÃO É a doutrina cristã. É apenas uma ideologia política. Dentro dele há espaço para opiniões cristãs, não-cristãs e até anticristãs. Vamos obrigar um conservador judeu a declarar que Jesus é Deus, e expulsá-lo do conservadorismo se ele não quiser fazer isso? Vamos expulsar do conservadorismo todos os ateus? Vamos transformar o conservadorismo na Sagrada Congregacão para a Doutrina da Fé?
Quando vão parar de confundir as opções políticas disponíveis com os modelos abstratos de sociedades hipotéticas, ou até com modelos de conduta cristã?
É por isso que não faço nenhuma questão de ostentar o rótulo de “conservador”, e me declaro apenas um católico. Quando julgo as coisas pela minha fé, ajo apenas como indivíduo, não como porta-voz de uma corrente ou partido político. Tenho o direito e o dever de fazer esse julgamento, mas não o de dar a ele o alcance de uma palavra-de-ordem partidária.”

A reeducação das emoções

A reeducação das emoções é impossível sem passar primeiro pela reeducação da inteligência, de modo que esta assuma, pouco a pouco, o comando da alma inteira e se torne o centro da personalidade em vez de um penduricalho inútil a serviço da autojustificação histérica. Ser inteligente é, nesse sentido, como já lembrava Lionel Trilling, a primeira das obrigações morais. Sem inteligência, até as virtudes mais excelsas se tornam caricaturas de si mesmas.

Como será vencido o comunismo. ILD Contributor


Elpídio Fonseca

2 h · 

Quando um jornal não é a “Carta Capetal” e diz da real importância de Olavo de Carvalho. Confiram artigo de 13/11/2018 no ILD:


Como será vencido o comunismo.
ILD Contributor

13 de novembro de 2018
0

Quando Gêngis Khan atacou a China pela primeira vez, desconfiava que o império da poderosa dinastia Jin, a quem iria atacar com suas hordas, não chegaria a tempo de ajudar os de Xi Xia. Depois de tê-los vencido, a horda mongol espalhou-se também sobre os do território Jin, a quem massacrou, lhe destruiu as cidades, lhes arrasou todo o país. Seguiu-se um período negro na história, perecendo nas mãos dos mongóis quase 10% de toda a população do planeta de então. Quase toda a Ásia e parte da Europa foram passadas a fogo pelos guerreiros selvagens. Tudo poderia ter sido impedido sem se seguirem tantas coisas trágicas se os de detrás dos grandes muros da China tivessem entendido que a civilização deles não poderia defende-los per se se não saísse para atacar o inimigo, tempo em que também deveria eliminar seus traidores. Depois da guerra dos mongóis e do domínio destes, por quase 1000 anos, veio a vez de outros sedentos de sangue destruir comparavelmente boa parte da população do mundo. 
A guerra do comunismo com o mundo permanecerá provavelmente na história como a Guerra de cento e quem sabe quantos anos mais doravante. Guerra total, muitas vezes civil, com vítimas que cobriam metade do planeta. Uma guerra com o Mal travestido de Bem para as mentes fracas. Guerra híbrida, em que boa parte das legiões inimigas não porta as insígnias da parte pela qual luta, em que o Mundo Livre teve freqüentemente partidários da esquerda por trás do front, atacando os centros nervosos e devastando tudo o que lhes caía na mão, em que as tropas reguladas se sob a bandeira com a estrela vermelha aparece de quando em quando, com mudanças de ritmo e pausas longas que deram o sentimento ao mundo livre que esta guerra se pode temperar ou que está perto do gim. Nada mais falso. Uma guerra contínua, com um número imenso de inocentes mortos, com povos sujeitos à fome, com filas intermináveis de refugiados, com populações deslocadas. 
Sem ser uma guerra do ateísmo com o mundo espiritual, empregou, ao contrário, permanentemente e com grande intensidade o ateísmo militante. Houve e ainda há uma guerra de uma religião satânica, com uma escatologia rudimentar, conduzida contra todo o mundo livre. Uma guerra do Mal para o controle total das mentes. O homo sovieticus era o que já não pensava de maneira alguma fora das regras do partido. Uma guerra em que os comunistas matam e torturam sem restrições, e o mundo livre debate que regras da Convenção de Genebra devem ser respeitadas. O escopo final uma matrix-gulag universal. 
Imaginemos o que aconteceria se alguém do mundo livre decidisse dar aos comunistas um tratamento tanto quanto possível simétrico, segundo a própria receita deles: prisões, condenações graves, gulag até o extermínio, execuções em grande escala. Não aconteceu, não pode acontecer: o mundo livre é em boa parte cristão, tem regras e é bom que assim seja, isto nos distingue deles. Mas o que o mundo livre não tem e lhe é absolutamente necessário, é o Manual de Luta contra eles e a vontade de terminar definitivamente com eles. O manual com o conjunto de regras segundo as quais se pode fazer uma Internacional que se oponha aos comunistas. Contra a convocação geral à luta dos comunistas, em todo o mundo, não há desde há 150 anos nem uma resposta que conte no tempo, em toda a parte. Ao monstro comunista pluricéfalo corta-se-lhe em vão uma cabeça, num intervalo. Que teria acontecido se, depois da queda do comunismo na URSS e na Europa, os Estado Unidos tivessem resolvido o problema de Cuba, pressionando-a até ceder, depois tivesse perseguido todos os agentes comunistas de toda a América Latina, recomendando aos países onde se encontravam a extraditá-los e prendê-los e julgá-los por traição, terrorismo e pelos crimes cometidos? Um Guantánamo para os comunistas não foi feito nunca, mas muito mais do que certo não teria existido o Foro de São Paulo, onde se decidiu a levar adiante o comunismo na América Latina depois da queda da URSS e o grande desastre humanitário da Venezuela não teria acontecido. As pessoas do Brasil, da Bolívia, da Nicarágua e da Colômbia teria levado uma vida muito mais fácil se a guerra contra os comunistas tivesse sido conduzida assim como se deve contra um inimigo tão perigoso e tão pérfido. 
Que teria acontecido se depois da queda do comunismo na Europa tivéssemos tido um Nurembergue dos comunistas? Tivemos apenas alguns processos menores do comunismo, tendo os comunistas, com muito poucas exceções, imunidade absoluta. Puderam em alguns anos reagrupar-se, reunir-se em partidos políticos mainstream, parasitaram e atrapalharam partidos que não tinham nada com o comunismo ou eram realmente anti-comunistas. Agora estão por toda a parte, em toda a Europa. Em partido, na mídia, nas universidades, nas igrejas.

Ninguém respondeu seriamente à longa marcha comunista pelas instituições, com nada. Ao engolir das universidades, aos ataques à Igreja e à infiltração nela, à ocupações dos institutos de mídia, ao pretenso monopólio sobre a vida artística, ao movimento geral coordenado pela ocupação das principais instituições do mundo livre no tempo – não se lhes respondeu de maneira nenhuma coordenada, seriamente. Aqui e ali, disparates chamaram a atenção, mas não puderam fazer muita coisa quando os comunistas lhes replicaram com ataques concertados. Muito raramente se encontrou alguma organização ou pessoa disposta a fazer uma guerra total contra a infiltração comunista na sociedade. E quando se encontrou alguém para fazer isso, não o fez por um período muito longo, sendo um dos motivos a falta de sustentação política causada pelos ataques da imprensa com vírus, até que Trump como que deu o tom e os temas da opinião pública. McCarthy é ainda visto nos Estados Unidos, por muitos, como uma personagem antes negativa. 
Um caso especial foi o de Olavo de Carvalho, um exército poderoso formado de um só homem, uma voz que parecia só, mas que atraiu aliados e levantou todo um país contra os comunistas. O Brasil e o mundo todo devem muito a Carvalho, aquele cujo nome se tornou o símbolo da luta anti-comunista da América Latina. “Olavo tem razão” foi um dos mais poderosos lemas de luta contra o comunismo no Brasil, luta ganha com um grande escore. Na metade da Europa ocupada pelos comunistas de dizia “X teve razão” quando se tratava de comunistas, de regra depois que a luta tinha sido perdida…Isto diz muito de quão eficiente foi a luta de Olavo de Carvalho. 
Se agora nos Estados Unidos, na Casa Branca, está um homem que pensa como deve diante do grande perigo, e na América Latina o comunismo parece estar em remissão depois da perda do Brasil e do próximo colapso do regime da Venezuela, depois de a Bolívia dar sinais de querer escapar de Morales e dos seus, excetuando a China, o comunismo já não tem nenhures sustentação militar séria, mas tudo isso não significa que a guerra tenha terminado. Nem de longe. É muito necessário como sempre o Manual segundo o qual seja conduzida a luta anti-comunista, que conduza a uma agregação de um movimento internacional que se identifique e ataque os centros de comando e de propaganda deste câncer ideológico. Os comunistas voltarão de uma forma ou de outra. Não devemos espera-los. Temos de ir até o terreno deles, lutar contra as idéias deles e com eles até quando se tornem definitivamente inofensivos, e o mundo tenha tranquilidade até a vinda do próximo Grande Mal. 
ACP
O texto original pode ser lido aqui:

http://inliniedreapta.net/cum-va-fi-invins-comunismul/?utm_source=Newsletter+ILD&utm_campaign=c7e37bb41b-RSS_EMAIL_CAMPAIGN&utm_medium=email&utm_term=0_b2dfe8ba3a-c7e37bb41b-265348041

Olavo de Carvalho, o esgrimista – Enio Mainardi

Vi o Olavo, hoje, num vídeo (link abaixo).

Foi entrevistado por um repórter da Carta Capital. Pobre homem, quase uma vítima. Ninguém o avisou para não brincar com dinamite. O infeliz, lá,  desfilou diligentemente todos  argumentos da esquerda, aqueles clichês surrados do PT.

Mas, ao invés de se chatear, o Olavo aproveitou para dar um show de sabedoria política e ironia, fulminando o perguntador que baqueou desnorteado, em K.O.

O Olavo tem 71 anos, chequei no Google. Estou falando do corpo dele, da máquina física, que pareceu um tanto cansada. Mas o que vi e ouvi, hoje, é um homem brilhante e energético, com menos de 40 anos. Um certo cinismo faz parte da esgrima que ele gosta de praticar. Seu senso de humor é queimante, às vezes se deixando levar pela raiva quando contraditado por gente tola e auto-complacente. O Olavo despreza a burrice e o despreparo. Matar esse tipo de adversário o faz um tanto blasé, igual a um gato de gosta de brincar com o camundongo, antes de liquidá-lo.

Vou usar uma expressão velha para tentar definir o Olavo: ele é “moderno”. Fala coisas igual a um médico legista que enquanto faz autopsia num corpo, bate papo e conta causos para os colegas rirem, na morgue. Humor negro eu diria. Parece outro personagem que também fazia rir ao esculhambar o alheio: Paulo Francis, inesquecível. Tem pouca gente  assim, hoje no Brasil. Não com a mesma categoria.

Me faz lembrar um filme antigo sobre as Cruzadas. Na cena o Ricardo Coração de Leão e o Saladino, na tenda do líder árabe. Ricardo manda colocar uma barra de ferro apoiada em dois cavaletes, ele quer impressionar o outro com o poder de sua pesada espada. Ergue então a arma por cima da cabeça e desfere um só golpe, cortando a barra pelo meio. Saladino, em reação, joga no ar um lenço levíssimo de seda, cortando-o com um movimento rápido de sua cimitarra curva. O lenço cai flutuando no chão, separado em dois pedaços. Ohhhhs! de admiração.

Olavo de Carvalho é o Saladino. O fio da espada de sua inteligência corta fundo, sem precisar da violência bruta que  é a arma dos grosseiros, sem classe nem sutileza,  fingindo altas intelectualidades  Olavo nunca seria um político. Jamais.

Pense nessa malta de senadores, na ânsia de se cobrir, uns aos outros, na ferveção do jogo do “toma lá dá cá”, antes que  caiam na LavaJato.

E aqueles togados do STF, então?

Olavo seria um ótimo “consiglieri”, tipo o do Poderoso Chefão.

Não Ministro, mas um dialogador criativo dentro de portas fechadas, ajudando a transformar batalhas tempestuosas em simples vento de verão.

Faria uma ótima dupla com o Bolsonaro.

Entrevista de Olavo de Carvalho para a Revista Carta Capital

https://youtu.be/vxOUj4CTTBM

https://www.areuniao.com/single-post/2018/11/11/Olavo-de-Carvalho-o-esgrimista?fbclid=IwAR1AdUBZMAILrgDK7xv5rJiwwzCM_m3_6J2TfWiXdXSho-lgG9_CjEoeDC4

Certas idéias

Certas idéias só podem ser defendidas PORQUE seus adeptos contam com a garantia absoluta de que jamais terão de levá-las à prática. O propugnador da igualdade entre homens e animais só a explica aos homens, não aos animais. O adepto da “causa operária” só o é porque não corre o mais mínimo risco de tornar-se um operário no paraíso socialista. O defensor da pedofilia jamais se tornará criança para sofrê-la. E o apologista do aborto jamais será abortado. Ser impraticáveis não é um “defeito” dessas teorias: é o seu fundamento.

Teatrinho mental brasileiro

A acreditarmos no teatrinho mental brasileiro, todo mundo neste país passou por uma conversão instantânea: ao cristianismo, ao marxismo, à teosofia, ao espiritismo ou ao que quer que seja. Ninguém jamais hesitou, tateou, experimentou ou mesmo pensou. Cada um saltou direto para dentro da fé e, se saiu dela, foi também por um salto imediato e sem escalas.

Tropa-de-choque dos megabilionários

A família patriarcal é, efetivamente, a base do poder econômico e político, mas hoje ela se tornou um privilégio dos megabilionários. Destruir o pouco que resta dela nas classes populares não é libertar ninguém de coisa nenhuma: é escravizar todo mundo às “duzentas famílias” que se acham donas do planeta.
A esquerda mundial, hoje em dia, é tropa-de-choque dos megabilionários. Nada mais.

O filósofo de Bolsonaro?

De novo:

https://observador.pt/opiniao/o-filosofo-de-bolsonaro/

O filósofo de Bolsonaro?
Hélder Pereira

O filósofo Olavo de Carvalho não é ideólogo de ninguém. Ele não é agente político ou representante ideológico. Para ele, o círculo da hierarquia pessoal não se sobrepõe ao círculo da verdade.

Anda um espectro pelo Brasil — o espectro de Olavo de Carvalho, aquele a quem certos formadores de opinião denominam de ideólogo da direita (ou da “nova direita”) e da campanha de Jair Bolsonaro.

Mas afinal, quem é o filósofo Olavo de Carvalho?

Olavo de Carvalho nasceu em 1947 no Brasil, mas reside actualmente nos Estados Unidos da América, em Richmond (Virginia), a partir de onde transmite as aulas do Curso Online de Filosofia e os cursos avulsos do Seminário de Filosofia a milhares de alunos. O cineasta Josias Teófilo registou parte da sua rotina, e uma centelha do seu pensamento, no documentário “O Jardim das Aflições”, eleito o melhor filme da 21ª edição do Cine PE.

Saudado pela crítica como um dos mais originais e audaciosos pensadores brasileiros, Olavo é o intelectual — filósofo, escritor, educador, conferencista, analista político e jornalista — mais amado do Brasil e o mais odiado e difamado. Homens de vários horizontes intelectuais, como Jorge Amado, Miguel Reale, Arnaldo Jabor, Ciro Gomes, Roberto Campos, J. O. de Meira Penna, Bruno Tolentino, Herberto Sales, Josué Montello e o ex-presidente da República José Sarney (entre tantos outros), já expressaram admiração pela sua pessoa e pelo seu trabalho.

Para ele, a filosofia não é um mero diletantismo,
mas “a busca da
unidade do conhecimento na unidade da consciência e vice-versa” — um trajecto que só termina com a morte. Observando os Diálogos de Sócrates, a “busca” não repousa numa certeza, mas numa confiabilidade máxima, resistente à prova. O processo que forma a unidade da técnica filosófica, tal como descrito por Louis Lavelle, no “Manuel de Méthodologie Dialectique“, traduz todas as operações que estão envolvidas na resolução dos problemas filosóficos, ou seja, na conversão dos conceitos gerais em experiência existencial efectiva e vice-versa. A técnica filosófica – inexistente nas universidades modernas — pode ser resumida em sete pontos:

A anamnese pela qual o filósofo rastreia a origem das suas ideias e assume a responsabilidade por elas;
A meditação pela qual ele busca transcender o círculo das suas ideias e permitir que a própria realidade lhe fale, numa experiência cognitiva originária;
O exame dialéctico pelo qual ele integra a sua experiência cognitiva na tradição filosófica, e esta naquela;
A pesquisa histórico-filológica pela qual ele se apossa da tradição;
A hermenêutica pela qual ele torna transparentes para o exame dialéctico as sentenças dos filósofos do passado e todos os demais elementos da herança cultural que sejam necessários para a sua actividade filosófica;
O exame de consciência pelo qual ele integra na sua personalidade total as aquisições da sua investigação filosófica;
A técnica expressiva pela qual ele torna a sua experiência cognitiva reprodutível por outras pessoas.
Olavo é, portanto, um filósofo de tradição clássica (da turma de Sócrates, Platão e Aristóteles) que discursa com erudição tanto numa tonalidade escolástica como moderna.

O Seminário de Filosofia não é um lugar para quem busca um título académico, uma carreira ou a realização de um papel social. Para Olavo, “filósofo” não é uma profissão, mas uma vocação, tal como descrita por Antonin-Gilbert Sertillanges em “La vie intellectuelle; son esprit, ses conditions, ses méthodes”. A vida intelectual é uma missão de altíssima responsabilidade, seriedade e sinceridade. A busca da Verdade é o centro existencial que Olavo procura restaurar nos alunos — a unidade de vida. Como ele diz: “Ouvindo o que eu digo, quem é inteligente fica mais inteligente, quem é burro fica louco”.

A totalidade dos jornalistas e formadores de opinião, os meros leitores de posts e artigos e os apologistas do anti-olavismo — desconsiderando os alunos verdadeiros — desconhecem por completo a sua obra. Os “críticos” são, na sua maioria, pessoas que jamais leram um livro do autor, que nunca escreveram uma crítica ou uma obra própria a contrapor, que nunca absorveram o status quaestionis dos problemas em causa, mas se julgam aptos a condenar a sua pessoa, o seu pensamento, a sua filosofia (a Teoria dos Quatro Discursos, a Paralaxe Cognitiva, as Doze Camadas da Personalidade, a Mentalidade Revolucionária, o Intuicionismo Radical, etc.) e os seus alunos, como se estes nunca tivessem estudado nada mais senão a sua obra, e como se esta não estivesse montada sobre milhares de outras, aos ombros de gigantes. Na sua totalidade, são insensíveis às nuances do seu pensamento, não distinguindo as impressões do momento das opiniões fundamentadas e a qualidade dos vários tipos de discurso (poético, retórico, dialéctico e lógico ou analítico), onde a possibilidade, a verossimilhança, a probabilidade razoável e a certeza apodíctica são conceitos-chave.

Se “pelos frutos os conhecereis”, podemos dizer que Olavo é também um proeminente cientista político, qualidade que lhe valeu a hashtag #olavotemrazão em todas as recentes manifestações populares no Brasil.

Jair Bolsonaro e os seus filhos são leitores e admiradores de Olavo, mas o filósofo não é o ideólogo de cabeceira do candidato presidencial (como Aleksandr Dugin — com quem vitoriosamente debateu — é para Vladimir Putin), embora tivesse exercido uma influência significativa no rumo destas eleições. Formar uma elite de intelectuais capaz de enfrentar a hegemonia cultural instituída e politicamente aparelhada foi um dos seus objectivos. Integrando o sentimento de revolta popular contra o estamento burocrático, muitos dos seus alunos, leitores e admiradores tomaram as rédeas do poder, assumindo o exercício de diversos cargos políticos (por exemplo, a aluna e amiga Joice Hasselmann — entre tantos outros e outras — foi eleita como deputada federal, sendo a mulher mais votada do Brasil).

O filósofo Olavo de Carvalho não é ideólogo de ninguém. Ele não é agente político ou representante ideológico. Para ele, o círculo da hierarquia pessoal não se sobrepõe ao círculo da verdade — ele apenas responde perante o tribunal da Verdade. E a força da sua personalidade influenciou milhares de pessoas. Olavo busca a verdade de forma cruel com uma inteligência demolidora. Como declarou o doutor Ives Gandra Martins, um dos juristas mais conceituados do Brasil: “Olavo de Carvalho é o mestre de todos nós”.