15.10.2017

*

“Olavo cita fontes proficua­mente, mas fontes que elucubram tanto quanto ele, que se baseiam tão somente no plano das ideias.”
É óbvio que essa mulherzinha não consultou UMA FONTE SEQUER dentre aquelas que cito.
Dizer que livros como o Daniel Estulin sobre o Grupo Bilderberg, o do Carrol Quigley sobre o establishment anglo-americano, o do Trevor Loudon sobre os comunistas em Washington, o do G. Edward Griffin sobre a ONU, as memórias de André Gide, o da Judith Riesman sobre Alfred Kinsey ou qualquer outro similar “se baseiam tão somente no plano das ideias” é prova cabal de que não os leu e não conhece nem os nomes dos autores.
É tudo BLEFE, da primeira à última linha.

*

Quando digo que a luta da intelectualidade esquerdista em prol da pedofilia vem de longe, a vagabunda não pede fontes e já sai grasnando que elas não existem ou “só elucubram”. Seria, de fato, excesso de credulidade esperar que essa caricatura grotesca de jornalista buscasse o jornal “Libération” de 5 de novembro de 1977, que defende abertamente a prática da pedofilia, ou o de 20 de junho 1981, onde um pedófilo se deleita na descrição das suas experiências com uma menininha de cinco anos. Ou o “Charlie Hebdo” de 1977 que, assumindo a defesa de três pedófilos presos, celebra o “céu de coxas tenras” que se abre ante o adulto pervertido quando contempla uma menor de idade nua. Ou o artigo em que o célebre líder de maio de 1968, Daniel Cohn-Bendit, confessa abertamente: “Quando uma menininha de cinco anos despe o nosso corpo, é fantástico, é um jogo absolutamente erótico-maníaco”.
E assim por diante. As fontes são inumeráveis, mas essa canalha abjeta não precisa delas. Empina o narizinho e proclama que quem ignora os fatos sou eu.

Já em 1977, uma petição pró-pedófilos foi assinada por Louis Aragon, André Glucksmann, Jack Lang, Philippe Sollers, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, entre outros. A muiezinha não tem nem quer ter a menor idéia disso.

*

A dona, metida a traçar o meu itinerário biográfico com ares de quem sabe tudo a respeito, ignora até a mais elementar cronologia. A partir de 2005, diz ela, “o filósofo foi cedendo cada vez mais espaço ao conservador”. Isso é a exata inversão da realidade. O período que se segue a 2005 é aquele em que publiquei “A Dialética Simbólica” (2006), “Maquiavel ou A Confusão Demoníaca”, (2011), “A Filosofia e Seu Inverso” (2012), e “Visões de Descartes” (2013), além dos volumes finais da “Historia Essencial da Filosofia” (2006), do debate com o Prof. Duguin (2012) e de ensaios sobre Mário Ferreira dos Santos e René Guénon, saídos respectivamente nas revistas “Dicta & Contradicta” e “Versus” – mais textos de filosofia do que publiquei em qualquer outra época. Sem contar que foi em 2009 que iniciei o mais ambicioso projeto filosófico da minha vida, o “Curso Online de Filosofia”. Obviamente, a minha pretensa biógrafa não leu nem sequer o meu “curriculum vitae”. Essa mulher não é repórter, não é jornalista, é apenas uma fofoqueira chinfrim cuja presença no jornalismo é uma desonra para a profissão.

P. S. – Nem levei em conta, nessa lista, as dezenas de artigos sobre matéria filosófica publicados no “Diário do Comércio”.

*

Nem estranho que, nessa caricatura de perfil biográfico, a mulherzinha não cite NEM UMA SÓ idéia filosófica exposta nos meus livros e cursos. É claro: ela nem leu os primeiros nem frequentou os segundos. Não é preciso dizer que não leu também NENHUM dos autores que me influenciaram e que ela não tem a menor idéia de quem sejam.

*

O que chega a suscitar horror é o detalhe de que, alardeando-se vítima de abuso sexual na infância, ela abafe, em vez de denunciar, o longo trabalho da intelectualidade esquerdista mundial em favor das relações sexuais entre adultos e crianças, a começar pelo “Relatório Kinsey”, e tente dar ares de delírio conspiratório ao que é um dos fatos mais amplamente documentados dos últimos sessenta anos.

*

Mudando um pouquinho de assunto, vocês notaram que a TV brasileira deu mais destaque à meia dúzia de militantes que protestavam contra o Bolsonaro fora do auditório do que às centenas de fãs que, dentro, o aplaudiam?

*

Nem políticos petistas, psolistas ou pecedobistas tiveram a suprema sem-vergonhice de tentar tirar proveito das historinhas caluniosas postas em circulação pela aliança dos Veadascos com a minha filha Heloísa. A Flávia Tavares é que catou e lambeu com gosto o que todos jogaram no lixo.

*

Graças a pessoas como Flávia Tavares, cada órgão brasileiro de mídia tornou-se um “house organ” da própria redação, lendo o qual os coleguinhas tocam punheta no banheiro enquanto os leitores os ignoram solenemente.

*

O pau não endurece, mas o cu amolece:

Pesquisa revela que 98,7% dos homens esquerdistas sofrem de impotência sexual 

É coisa tipo Joselito Müller.

*

Frases imortais: “Não sou comunista porque comunista tem pinto pequeno.” (Paulo César Pereio)

*

Hoje entendo por que os comunistas vivem dizendo “Hay que endurecer” — é porque têm consciência da dificuldade.

*

Os organizadores da conferência do Bolsonaro em Nova York proibiram a entrada do hominho da Fôia de S. Paulo. Ótimo. Ninguém precisa dessa porcaria de jornal.

*

Os repórteres brasileiros deveriam ter a sua presença rechaçada aonde quer que fossem — espetáculos, jogos, comícios, comemorações, o diabo. Para que presenciar os acontecimentos, se é para escrever só a merda que já trazem pronta na cabeça antecipadamente?

*

Uma das frases mais reveladoras na matéria da Flávia Tavares é aquela em que, tentando explicar a força atrativa do meu estilo de escrever e falar, ela arrisca a hipótese: “Talvez sejam as tais técnicas de lavagem cerebral aprendidas com a neurolinguística”.
Nessas poucas palavras condensa-se aquela mistura de ignorância abissal e malícia peçonhenta que constitui toda a fórmula mental dessa criatura.
A ignorância, em primeiro lugar. Aprender “lavagem cerebral com a neurolingüística” é um “flatus vocis”, uma expressão totalmente desprovida de significado. Designa uma impossibilidade pura e simples.
A lavagem cerebral, como o sabe qualquer estudioso da matéria, é um conjunto de procedimentos cruéis, assustadores e traumáticos destinados a destruir, na vítima, o respeito por si mesma e o senso da identidade pessoal, substituindo a personalidade existente por uma construção artificial duradoura, imposta de fora por um instrutor.
A técnica empregada para isso é de tipo integralmente behaviorista, fundada na visão redutiva do ser humano como um mero sistema de reflexos condicionados, não diferente, em substância, de um coelho ou de um cachorro.
Originada nos estudos do psicólogo russo Ivan Pavlov, a lavagem cerebral foi abundantemente usada por psicólogos chineses e norte-vietnamitas em soldados americanos, e posteriormente aperfeiçoada, com o nome de “mind control”, pelo programa da CIA que se celebrizou com o nome de MK-Ultra e acabou sendo proibido pelo Congresso americano.
A programação neurolingüística, em contrapartida, é uma técnica sutil de comunicação gestual criada pelo psicólogo americano Milton Erickson para o tratamento de doentes psicóticos inacessíveis à comunicação verbal. Em essência, consiste em criar um diálogo mudo por baixo do fluxo de palavras, dando a estas um poder sugestivo incomparavelmente maior do que têm numa conversação normal. Erickson obteve grandes sucessos terapêuticos com o uso dessa técnica, que depois passou a ser usada por equipes de vendedores e publicitários para várias finalidades comerciais e políticas, muitas delas não muito honestas mas nenhuma violenta ou traumática.
Em determinadas seitas pseudo-religiosas, a programação neurolínguística chegou a ser usada como isca inicial para predispor os discípulos a submeter-se a autênticos procedimentos de lavagem cerebral, que implicavam privação de sono e alimentos, isolamento forçado em algum “ashram” ou colônia, ruptura dos laços familiares e prática de exercícios físicos e psicológicos extenuantes, alcançando-se com isso mutações de personalidade comparáveis às obtidas nos campos de prisioneiros da China e do Vietnã – tudo isso, é claro, totalmente alheio à comunicação ericksoniana.
Em todos os casos, os dois procedimentos técnicos permanecem distintos e separados. Fazer ou aprender lavagem cerebral com a programação neurolínguística equivale mais ou menos a aprender alpinismo com uma batadeira de bolo ou a pescar tubarões com uma cola de bastão.
A expressão usada pela dona revela total ignorância do assunto.
Mas a ignorância em nada de opõe à malícia, e com freqüência uma linguagem inadequada ou desprovida de sentido é um instrumento perfeito para a prática da intriga, da difamação e da calúnia.
Justamente aos ouvidos de um público que ignora o sentido científico e objetivo das expressões, os termos “lavagem cerebral” e “programação neurolinguística” evocam a idéia nebulosa de procedimentos vagamente sinistros cuja própria indistinção faz da sua soma a imagem sugestiva de um paroxismo de crueldade psicológica, dominação mental tirânica e desrespeito à integridade humana, sem que esse público tenha a menor idéia de que a imagem que assim o assombra e hororriza é a de um fenômeno que não existe nem pode existir.
Muito menos o leitor ludibriado perceberá que, se é impossível obter de uma dessas técnicas os resultados da outra, ou mais ainda aprender uma por meio da outra, mais impossível ainda seria aplicá-las juntas, à distância, sobre uma platéia invisível de milhares de pessoas – o que é precisamente o poder supra-humano que a senhorita calhorda tenta me atribuir por meio de uma linguagem em se mesclam e se fundem, isto sim, a estupidez e a malícia.

*

É assim que se dão às virtudes literárias de um escritor, tão louvadas por autores do porte de um Herberto Sales, de um Jorge Amado, de um Josué Montello, de um Carlos Heitor Cony, de um Bruno Tolentino e tantos outros, os ares de um crime hediondo.

*

A América brasilianiza-se. Vale a pena ler:

http://www.frontpagemag.com/fpm/268112/end-university-mark-tapson

*

Um sujeito sentir que os seus desejos sexuais são valores superiores à religião alheia é prova de prepotência narcisista infantil, psicótica. Não é uma opinião política, é um sintoma.

*

É preciso avisar a essas pessoas: seu pinto, seu cu ou sua buceta não são patrimônio cultural da humanidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s