O JARDIM DAS AFLIÇÕES Thomé Sabbag Neto

O JARDIM DAS AFLIÇÕES

Thomé Sabbag Neto

Quem assistiu ao filme “O Jardim das Aflições” viu condensada em símbolo a estrutura estratificada da influência pedagógica que o Olavo de Carvalho exerce sobre as pessoas: de fora para dentro e, em todos estes níveis, transitando-se constantemente entre o seu pensamento e a sua pessoa, vimos a camada política, a filosófica, a cultural e a radicalmente pessoal (ou seja, espiritual) sucederem-se de forma fluida, quase líquida, sem as quebras de unidade tão ao modo da paralaxe cognitiva que reina soberana, dividindo as consciências e, assim, inibindo e atrofiando as faculdades individuais de que as pessoas são dotadas.

É assim que aquele mesmo homem que iniciou falando sobre política, quando o duelo era então com a esquerda ou o PT, termina fazendo considerações radicalíssimas sobre a eternidade, confrontando-se, já agora, com a morte, com as inquirições e as inquietações sobre o sentido da existência. Aliás, ele termina mesmo com o silêncio e, penso eu, não poderia ser diferente sob nenhuma hipótese e qualquer que fosse o pretexto.

A unidade entre o pensamento e a pessoa de Olavo de Carvalho constitui modelo pedagógico exemplar, que escancara, sem dó, a deprimente mesquinharia das ambições nominalmente intelectuais ou culturais em voga. A busca pela conquista de uma personalidade autêntica, coesa, una, densa — que é o que todos devemos fazer — não é outra coisa senão a busca da dignidade necessária para que qualquer um de nós tenha o direito de dizer “eu”. E isso não se faz sem um sistema de compreensão aprofundada da realidade e de integração abrangente do homem nesta realidade, mediante a articulação de atividades tão distintas quanto as filosóficas, as científicas, as artísticas, as religiosas etc., mas também — e talvez sobretudo — mediante um modelo pedagógico em que aprendamos a ser sempre nós mesmos em tudo quanto fazemos. É isso o que Olavo não apenas ensina, como também nos apresenta, através do exemplo, que arrasta, como uma possibilidade efetiva.

Isso tudo não poderia ficar muito mais tempo reservado à área de acesso restrito do Seminário de Filosofia, senão por outros motivos, ao menos pela desértica ESCASSEZ DE EXEMPLOS que assola a nossa agonizante civilização e o nosso país: sem o filme — embora talvez mesmo com ele… –, a verdadeira pessoa do Olavo, em toda sua unidade e concretude, em sua simplicidade e desafetação, seguiria sendo um segredo imotivado ou, na mais branda das hipóteses, seguiria encoberta por uma imperdoável discrição

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s