Jardim das Aflições na Revista Amálgama

https://www.revistaamalgama.com.br/05/2017/resenha-o-jardim-das-aflicoes-documentario-olavo-de-carvalho-josias-teofilo/

Não te vi no jardim com ele?

por Fabrício de Moraes (30/05/2017)

O documentário sobre Olavo de Carvalho apresenta a convergência de filosofia e vida numa consciência individual.

18056630_10158568720150652_4107950677822152105_n

1.

A análise mais superficial da simbologia que as grandes tradições filosóficas e religiosas desenvolveram em torno da imagem do jardim revela a riqueza de abordagens possíveis a quem se utiliza dela como égide de seu projeto.

Começando numa ordem pautada mais no fator teológico do que no cronológico dos relatos, temos o Jardim do Éden, o jardim fechado da intimidade matrimonial em Cantares, e os jardins murados dos Aquemênidas, cuja própria designação em persa antigo (pairidaēza) remete ao paraíso. Porém, paralelamente, temos também o jardim do Getsêmani, o local onde Cristo suou sangue pouco antes de sua agonia na cruz, e, por fim, o jardim de Epicuro, para onde indivíduos enfastiados se dirigiam em evasão ao mundo.

Em O jardim das aflições, filme de estreia do diretor pernambucano Josias Teófilo, todos esses matizes são de certo modo explorados com precisão e sem rupturas. Classificado como um documentário, trata-se de périplo pelas principais ideias presentes na obra homônima do filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, publicada pela primeira vez em 1995, a partir de uma experiência malfadada – conforme relatada no livro – com uma palestra de José Américo Motta Pessanha, no MASP, que se revelou uma apologia, no sentido mais primário, do sistema materialista de Epicuro como o grande messias da restauração ética do Brasil e, subsequentemente, do Ocidente.

De maneira extremamente sucinta, o livro demonstra como o Império, sendo não uma teoria mas uma realidade, subjaz a todas as transformações e conflitos, mesmo aqueles mais renhidos e antitéticos entre si. Nas palavras do autor:

Tão forte é o magnetismo da ideia de Império, que as outras orbitam em torno dela como satélites, cuja oposição aparente mascara apenas o fato de girarem em torno de um mesmo eixo, de servirem a um mesmo propósito e senhor. Teocracia e monarquia, república e democracia, nacionalismo e internacionalismo, revolução e reação, capitalismo e socialismo, e todas aquelas outras bandeiras em nome das quais os homens matam e morrem, quando vistas já não desde o ponto de vista das motivações subjetivas que movem os seus mártires, mas desde a perspectiva dos resultados reais a que servem na escala dos séculos, já não são mais que os estandartes das divisões, batalhões e esquadrões em que se escande o descomunal exército empenhado num só objetivo: a formação do Império. Os pensadores políticos e religiosos do Ocidente não criaram uma só ideia que, mais dia menos dia, não servisse a incentivar ou a legitimar a luta por essa finalidade. Em toda a variedade de processos e mutações que constitui a história do Ocidente, essa é a única constante.

A partir dessa constante, pois, Olavo de Carvalho traça um amplo panorama sobre como elementos metafísicos, esotéricos, filosóficos e religiosos configuram-se como forças e dinâmicas que são eventualmente subsumidas ao Império: desde César, passando pelas tensões da autoridade eclesiástica e os rebentos dos bárbaros (em especial a cepa de Pepino de Herstal), culminando na “aristocracia e sacerdócio do Império americano”[1].

Por conseguinte, no filme de Josias, há uma linha axial que perpassa esses vários aspectos abordados no pensamento do filósofo, nomeadamente, a força da individualidade, ou mais precisamente da personalidade, e os aglomerados e multidões desumanizantes, encarnados principalmente no Leviatã (as forças políticas hostis à profundidade do espírito humano).

Se, como dizia Goethe, “o maior bem dos filhos desta terra é a personalidade”, então a obra do diretor e do filósofo convergem ambas, paradoxalmente, na ode e demonstração de suas respectivas singularidades.

2.

Uma das confusões mais estéreis no tocante ao repúdio público ao filme de Josias Teófilo – acerca do qual muito já se falou – é a confusão entre representação e endosso, como se estivéssemos simplesmente perante um simples transplante de um suporte midiático para o outro, no caso, entre as aulas e conferências de Olavo de Carvalho e a película do diretor. A questão, conforme sinalizada acima, é que, ao longo de toda a obra, Teófilo imprime sua marca, por vezes de maneira bastante sutil, ao mesmo tempo que se esforça em ressaltar a união entre vida e obra de Olavo de Carvalho.

As primeiras cenas do filme abrem-se com o apuro da Sinfonia 1º, de Jan Sibelius, que será retomada em vários outros momentos, mantendo o equilíbrio e ritmo do documentário, e emoldurando a paisagem e cotidiano de Colonial Heights, cidade do interior da Virgínia onde o filme foi produzido – equilíbrio que é reforçado pela fotografia apolínea de Daniel Aragão.

De fato, contrariando as expectativas oriundas da controvérsia em torno do filme, as reflexões de Olavo de Carvalho, os diálogos, as cenas do cotidiano, os panoramas filmados por drones (alguns um tanto longos) e as partes alinhavadas pelo voice-over demonstram um grande comedimento, afeita antes à serenidade do pensamento dialético do que à erística ou à polêmica (no sentido filosófico do termo).

O filme divide-se em três partes: Contra a tirania do coletivo; Como tornar-se o que se é; e As ideias dos náufragos, respectivamente. Todas estas seções do filme são pontuadas ora por leituras, ora por cenas de filmes que remetem a algum tema, símbolo ou ao ideário exposto pelo filósofo.

Na parte I, somos apresentados a uma breve explanação do pensamento político de Olavo de Carvalho. Desse modo, tece-se uma linha desde o Jardim das delícias, o Éden, até o Estado moderno totalitário, continuidade esta que se dá mediante o processo civilizacional que isola, controla e administra numa imitação grosseira do Criador.

O outro Jardim, consequência direta da transgressão cometida no primeiro, é o das Oliveiras, onde o eixo vertical entre a alma individual e Deus torna-se manifesto:

A religião do Império, condensação de cultos gregos, romanos e bárbaros, resumia-se, em última instância, no diálogo entre a comunidade humana e o cosmos. De um lado, o pensamento comum dos homens reunidos na ágora ou no foro; de outro, as forças cósmicas, ora propícias, ora adversas, que pesam sobre o destino humano e entre cujas exigências a comunidade deve abrir seu caminho. O cristianismo rompe esse mundo bidimensional, inaugurando a dimensão vertical da profundidade e da altura, inacessível quer à imaginação comunitária, quer às representações sensíveis das divindades cósmicas: de um lado, a profundidade interior da consciência individual, o recinto secreto da intimidade do homem consigo mesmo; de outro, a infinitude, a eternidade, para além do tempo e do cosmos.

Nesse sentido, no entendimento de Carvalho, o cristianismo rompe com a ordem da divinização do Estado, na medida em que estabelece um novo modelo de referência do homem no cosmos, aliás, da relação da singularidade pessoal com um Deus supracósmico – e daí temos no Cristo o modelo perfeito da alma individual que porta a verdade absoluta contra a tirania do coletivo.

E, neste ponto, o objeto mais recorrente do filme, mais simbólico do que decorativo, entra em cena: livros e mais livros da biblioteca de Olavo. Na primeira parte da produção, as obras de imaginação e literatura ganham a primazia da câmera: Carpeaux, D.H. Lawrence e C.S. Lewis, provavelmente uma analogia do método filosófico de Olavo que enfatiza a formação do imaginário como passo inicial da filosofia. Essas obras de ficção constituem um fundo contrastante à temática abordada, nomeadamente, a política moderna, “o destino concreto do homem ”, nas palavras de Napoleão.

Versando sobre os meios de restrição da liberdade – paradoxalmente recrudescidos pelo clamor por mais e maiores direitos –, e também acerca do crescimento inevitável do poder (como postulado por Bertrand de Jouvenal, em O poder), a câmara, por meio de drones, enquadra os cenários de Brasília.

Ora, as imagens e as escolhas de Josias não são gratuitas, antes revelam a fusão de suas peculiaridades cinematográficas com a unidade filosófica do documentário. Brasília, nesse contexto, assoma como o maquinário derradeiro para efetivação do poder, o aspecto puramente funcional e burocrático do Estado, e também o aparato da religião civil. Chesterton, num seu romance, imaginou, nos confins ocidentais, uma torre cuja arquitetura, por si só, é malvada – aparentemente uma antevisão de Brasília, que os lances da câmara de Josias, por meio de panorâmicas, exploram como uma sonda.

Retomemos, portanto, à religião civil. Ora, seguindo a linha de interpretação de um Nelson Leheman da Silva, Eric Voegelin, Herman Dooyeweerd e Rousas J. Rushdoony, o Estado é visto, no entendimento de Olavo, como a nova religião, forjada como um novo Moloque nas revoluções francesa e americana.

Novamente, as imagens aqui são personalizadas. Paralela à afirmação do filósofo de que “o Estado moderno fecha a porta dos céus e também do inferno, de modo que não há mais Deus nem Diabo”, tornando-se, em detrimento das antigas religiões, o guia espiritual da nova humanidade, o diretor foca a câmera na Catedral de Brasília, monumento teratológico que demarca justamente a prevalência do projeto político (no caso, os princípios comunistas e, portanto, puramente funcionais de Oscar Niemeyer) sobre a substância espiritual.

3.

Tendo visto, na primeira parte do filme, que o percurso moderno de revolta espiritual e salvacionismo político pode se resumir concisamente no fato de que “todo poder emana do povo e será contra ele exercido”, a sequência do filme nos conduz a uma segunda faceta da filosofia de Olavo de Carvalho: Como tornar-se o que se é.

Se anteriormente as cenas panorâmicas de Brasília revelavam um instrumental científico e burocrático com o fim exclusivo de aumento e preservação do poder, Josias agora alterna seu foco para a intimidade do lar e relações pessoas e familiares do filósofo.

Fazendo alusão ao ideal do jardim, cenas das matas circundantes da cidade interiorana servem de cenário para o projeto filosófico. Há, nisto, uma ironia implícita, assim como uma negação do imaginário de Epicuro, para quem o jardim era o escape último da vida real, uma irrealidade dentro da realidade. Por outras palavras, essas cenas de Josias demonstram que a natureza – aquilo que é dado – é a realidade fundamental, sobre a qual a cultura – o que é construído – erige seus símbolos e escalas convencionais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s