28/4/2017

Haja paciência. Repito: se a fé é predestinada, as obras também o são, e ambas desde toda a eternidade. Como pode, então, ser a fé a CAUSA das obras? Se dois processos são criados juntos e simultaneamente, nenhum deles é causa do outro, mas ambos vêm de uma causa anterior comum.

*

Também repito pela última vez (depois vou começar a mandar tomar no cu):
Provem-me que as “obras” a que se refere o Novo Testamento NÃO SÃO as práticas da Lei judaica, e sim as da caridade cristã.
Provem-no ou não me amolem mais.

*

Não venham me dizer, como aliás já disseram, que tais ou quais organizações não cristãs ou até anticristãs “praticam a caridade”. Isso é confundir um conceito substantivo com um rótulo convencional. O que essas organizações fazem é IMITAÇÃO EXTERIOR da caridade cristã sem a verdadeira caridade, que implica AMOR GENUÍNO ao próximo como imagem viva de Jesus e disposição de morrer por ele.

*

Como essa gente se deixa enganar por palavras, puta que pariiiiiiiiiuuuuuu!

*

“Charity”, nos EUA, é qualquer organização que oferece desconto no imposto de renda a quem lhe dê dinheiro.

*

Você usar a palavra “caridade” no seu sentido convencional atual, interpretando a Bíblia segundo essa acepção, é, além de burrice, blasfêmia.

*

Verbosidade, emocionalismo barato e oratória kitsch: isto é o que muitos chamam de “fé”.

*

Vou mesmo dar o curso de leitura. Mas não serve para quem recebe e-mails de Deus todo dia.

Luigi Amendola Olavo: curso de leitura?
Olavo de Carvalho Sim. “O Mínimo Que Você Precisa Saber para Não Ler como um Idiota”.

*

Toda a linguagem da Bíblia é repleta de figuras de linguagem que, por si sós, não correspondem a nenhum conceito descritivo rigoroso e, portanto, não podem, antes de descompactadas, servir de premissas válidas a raciocínio NENHUM. Quem não entende isso lê tudo por sínteses confusas, usando, por exemplo, a palavra “obras” numa acepção em que se misturam, indiscernivelmente, os ritos e obrigações da Lei Mosaica, o auto-sacrifício por amor cristão e a assistência social praticada por qualquer “charity”.
É impossível discutir com essas pessoas, porque elas não entendem o que elas mesmas dizem.

*

Aristóteles ensinava que a verdade, assim como a falsidade, está no JUÍZO, e não nas afirmações em si mesmas. O juízo é uma representação correta do sentido da proposição, acompanhada de assentimento ou discordância. Da proposição ao juízo, o caminho pode ser bem longo e árduo.

*

O que eu acho mais lindo nisso tudo é a facilidade leviana com que tantos tiram conclusões diretas das palavras da Bíblia, sem nem se perguntar a que coisas e fatos essas palavras correspondem na experiência real, nem muito menos se as mesmas palavras, no seu uso atual, não significam coisas completamente diversas. É tudo verbalismo e nada mais.

*

Perdão. É verbalismo sustentado em estados de histeria coletiva criados por técnicas de programação neurolingüistica e similares.

*

Eu mostro algum fato incontrovertido da ordem física ou histórica, e o cidadão prefere acreditar no pastor porque ele grita “Glória a Deus!” e o convence de que está salvo.

*

A lógica não tem o poder de curar uma histeria.

*

Se o sujeito não entende que o meu ÚNICO objetivo ao topar uma discussão com ele é elevar a sua inteligência, então as possibilidades de que esse objetivo se cumpra são muito remotas, para dizer o mínimo.

Luiz Alberto Amaral Nardi Professor, não sei se aqui é o local correto para perguntar. Assim como o moço falou para o senhor, nos grupos católicos tradicionalistas o senhor é tido como Perenialista. O que é o Perenialismo? Se o senhor puder me sugerir algum livro, ficaria imensamente agradecido.
Olavo de Carvalho Leia o meu artigo da Verbum.

*

Se eu fosse fazer uma classificação dos meus detratores, estas seriam as principais categorias:
1. Comunistas e similares
2. Militaristas assanhados, fascistas e anti-semitas
3. Católicos tradicionalistas “enragés”
4. Católicos moderninhos
5. Evangélicos histéricos
6. Devotos do Carl Sagan, do Fritjof Capra, do Richard Dawkins e do aquecimento global.
7. Duguinistas, evolianos e esotéricos em geral.
8. Liberais que só pensam em dinheiro.
9. Pentelhos autênticos.
Alguns pertencem a duas ou três dessas classes, mas todos pertencem à nona. 
Se somar o QI de todos, não dá o da Dilma.

*

Se você freqüenta a igreja evangélica, ótimo. É a chance de você explicar ao seu pastor que ele não está entendendo porra nenhuma.

*

O Gerador de Lero-Lero é a primeira etapa do aprendizado da linguagem.

*

A segunda etapa é pôr talquinho no bumbum do discurso. Quando o sujeito chega aí, já é dotô.

*

Para afastar essas pessoas da minha platéia, doravante começarei as minhas aulas da seguinte maneira:
— Preliminarmente: Cu.
Metade tem chilique e vai embora.

*

Está decidido. Meu próximo curso será sobre a arte de ler. A sugestão do Rafael Santos, a quem muito agradeço, resolveu o meu problema. “O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ler Como um Idiota”. Em duas ou três semanas publicarei o programa.

*

Se um sujeito aprende teologia antes de ter o domínio apropriado da linguagem literária, consertar a sua inteligência será mais difícil do que fazer chover para cima.

O mesmo aplica-se ao Direito, às Ciências Sociais, à Pegagogia e à Psicologia.

*

Assim como a matemática está para a física, a linguagem literária está para tudo o mais.

*

O Brasil é o único país onde quem não trabalha faz greve.

*

Se eu fosse criar uma escola primária, só ensinaria duas coisas às criancinhas: línguas e matemática. Para tudo o mais, abriria cursos suplementares só para os interessados.

Karla Skarine Arte tb Olavo. Coordenação motora fina é importante para os pequenos… Me ajuda vai? Sou fêssora de arte! 😋
Olavo de Carvalho Karla Skarine Eu não tenho nenhuma. Levei ao desespero os meus professores de piano, porque sempre achava que havia mais dedos do que teclas.

*

Está instaurado, para todos os fins de fato e de direito, o dadaísmo cognitivo: Os estudantes universitários americanos odeiam as políticas do Obama… quando pensam que são do Trump.

*

Por que todo sujeito que não consegue aprender porra nenhuma acredita que tem o dom da ciência infusa?

*

Se você se diz um humilde servo de Deus, leia a lenda de São Cristóvão, que queria ser isso mas não conseguia fazer nenhum serviço que Deus lhe encomendasse.

*

A “Legenda Dourada”, de Giacomo di Varezzo, é um dos mais belos livros da humanidade. Leiam sempre que puderem.

*

Se a fé sem obras é morta e ela vem ANTES E INDEPENDENTEMENTE das obras, é óbvio que ela nasce morta.

Se você leva mais de três segundos para entender isso, você não tem conserto.

*

Se a fé vem pelo ouvir, você tem de ouvir antes de receber a fé. Ouvir é trabalho, é ação, é esforço, é obra. A obra vem ANTES da fé. Mesmo que Deus o tenha predestinado a ter fé, Ele não vai livrar você de ter de ouvir antes de recebê-la.

*

Gente burra confunde a ordem das coisas na eternidade com a temporalidade terrestre.

*

Por que Deus envia a paz aos “homens de boa vontade” e não somente aos “homens de fé”? Porque sem a boa vontade de ouvir ninguém recebe a fé.

*

É a coisa mais generosa que alguém já escreveu a meu respeito. Nem tenho como agradecer, meu irmãozinho Paulo Antônio Briguet:

http://www.folhadelondrina.com.br/blogs/paulo-briguet/olavo-de-carvalho-70-976183.html

Renan Martins Dos Santos Que maravilha essa história! Qual artigo o filho do dono do restaurante leu em inglês, o senhor sabe?
Olavo de Carvalho Não sei. Nem me lembrei de perguntar na hora.

*

O destino é cruel com pessoas que chegam ao Brasil com nomes estrangeiros. Tive um bom professor de trabalhos manuais. O nome dele, coitado, era Jacob Puterman.
Também tive um colega de redação que se chamava Mauricio Kus.

*

18194248_10209355568432884_7655375839603155087_n.jpg

Christine Ditchfield para Roxane Carvalho 

Passando por aqui pra desejar feliz aniversário. E pra ratificar que nós também estamos na lista de Schindler do Olavo. Nunca poderemos pagar o que recebemos pra nossa família. Obrigado, meu irmão. Deus te abençoe. Nossa gratidão é eterna, o amor imensurável. Felicidades!
Gilberto Zancope e Christine Ditchfield

*

Se você vier estudar filosofia nos EUA, nunca pronuncie em público o nome de Immanuel KANT. Diga KÉNT, senão é buceta.

 O Alessandro Cota caiu nessa logo que chegou aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s