10/4/2017

Hipóteses, hipóteses, hipóteses. Tudo isso é ejaculação precoce. O dado fundamental, ainda faltante, é: QUEM convenceu o Trump a atacar a Síria? E como, em troca de quê, conseguiu obter dele essa concessão aos neocons?

Quando pergunto “Quem?”, não me contento com uma resposta genérica. Quero nome, endereço, CPF e RG.

Enquanto eu não tiver esse dado, tudo para mim continuará obscuro.

*

Quando o Leandro Espiritual exalta Satanás como o maior revolucionário da História, só mostra sua capacidade de raciocinar por mero automatismo verbal com base num chavão consagrado, sem nenhuma representação imaginativa adequada do episódio a que alude. Pois, como prêmio da sua rebelião, o diabo só ganhou um poder parcial sobre o mundo sublunar do fugaz e do transitório, enquanto Deus conservava para Si o infinito e o eterno. E os soldados da tropa satânica nada mais receberam senão o direito de ficar espetando os cus uns dos outros com garfos de fogo pelos séculos dos séculos. Nem prazer sexual os desgraçados têm. Se alguma revolução mereceu o título de “revolução de merda”, foi essa.

*

Com imensa facilidade, a imagem do “inovador” que “rompe com os padrões” conseguiu se impor a milhões de babacas que não conseguem sequer elevar-se à altura dos padrões, quanto mais rompê-los. Quanto mais rotineiro e mecânico é um pensamento, mais idealiza o “novo”, justamente porque não tem força para visualizá-lo concretamente.

*

Alguém tem alguma dúvida de que a indústria da mídia só criou os Três Patetas, à força de dinheiro e propaganda, só para desviar das idéias do Olavo de Carvalho o foco das atenções? Simplesmente não acredito que essas criaturas tenham “milhões de seguidores”, como se alardeia. Quem tem milhões de seguidores não fica todo contentinho só porque vendeu 6.300 exemplares de um livro.

*

Na coluna da Mônica Bergamo que noticia o encontro no M.I.T.-Harvard, o ÚNICO conferencista que aparece designado por um rótulo ideológico é justamente aquele que, em contraste com a quase totalidade dos demais, não tem qualquer vínculo nem mesmo mental com nenhum movimento, organização ou partido: eu.

*

Desde sábado, o Pedro é sargento nos Marines. Os soldados, não conseguindo pronunciar “Carvalho”, chamam-no de “Sergeant De”.

17634743_10155139255257192_6130873108264390771_n.jpg

*

NINGUÉM percebeu a queda do Império Romano antes de decorridos muitos séculos. Nada mais enganoso que a política do dia.

*

Um dos motivos pelos quais fui rareando os artigos no DC é que a pressão para um articulista comentar os acontecimentos da semana — em vez escrever, se ele quiser, sobre algo ocorrido no século III — é um estímulo ao chute, um fator de corrupção da inteligência.

*

Parece que o Trump já entendeu que os neocons querem botá-lo numa fria, fazer dele um novo George W. Bush:

https://www.infowars.com/trump-pushes-back-against-neo-con-plan-to-invade-syria/

André Camargo Não entendo, professor. Antes era o Trump que agia, sem consultar ninguém exceto o povo e ele mesmo. Agora “alguém” o convenceu. Por que alguém tem de ter convencido o Trump e não ele próprio mudado sozinho de posição?
Olavo de Carvalho Porque na política americana as coisas simplesmente não acontecem assim. Tudo é negociado. Na campanha o candidato diz o que quiser. Empossado, é o dia inteiro uma fileira de pentelhos dando “sugestões”.

*

Se você é muié bonita, terei sempre algum preconceito a seu favor. É irresistível. Fazer justiça entre beldades e mocréias — exceto justiça estética — nunca foi o meu forte.

*

Como a preservação da própria imagem é direito constitucional de todo cidadão brasileiro, é ÓBVIO que o Facebook tem a obrigação de divulgar todos os controles que discretamente exerce sobre as páginas de cada um. Que tal forçá-lo a isso, distintos causídicos?

*

Estou dizendo que tem merda oculta nessa coisa:

https://www.infowars.com/donald-trump-is-an-international-law-breaker/

*

 

Quando o Donald Trump começa a agir como se fosse o John McCain, é que o índice de fecalidade atmosférica cresceu acima do que está sendo divulgado.

*

Poucas coisas no mundo são mais fortes que a interproteção anal entre autores de crimes hediondos.

*

Não sei, mas tudo isso me parece uma imensa cama-de-gato.

*

É preciso admitir como hipótese científica a possibilidade de que o esquema globalista-pedófilo já tenha fincado raízes profundas demais no sistema americano para poder ser neutralizado.

*

Se a derrubada do regime Assad levar o ISIS ao poder, saberemos com certeza quem inventou o bombardeio americano.

*

Pela lógica dos seus discursos de campanha, o Trump jamais tomaria nenhuma iniciativa bélica antes de demoradas negociações com a Rússia. Por que isso acabou acontecendo ainda é, para mim, um mistério.

*

Tendo em vista as minhas capacidades limitadas, Deus jamais me fez sustentar a minha fé contra a violência e a morte, apenas contra um muro de estupidez e má vontade. É cansativo, mas não substancialmente perigoso.

*

ALGUMA negociação com neocons e obamistas precedeu com certeza o ataque à Síria, e NÃO SABEMOS QUAL FOI. Para mim, essa continua sendo a questão central.

Olavo de Carvalho Fato comprovado é que, nas semanas anteriores, o Trump estava tentando obter o apoio de políticos democratas para a reforma do Obamacare. Eles não dão nada de graça.

*

Alguém que saiba russo pode confirmar se a tradução desta entrevista é fiel e qual é, afinal, a fonte da coisa?

https://www.facebook.com/osvaldo.aires.1/videos/920305478111672/?hc_location=ufi

Osvaldo Aires Bade com Marcus Sodré e outras 41 pessoas.

31 de março de 1964 o dia que não viramos Cuba.

O Zé Dirceu político não existe é uma identidade e rosto falso a base dos melhores cirurgiões plástico.
O Zé é coronel do Exército cubano e ele foi treinado para ser o ditador da América Latina inteira nos moldes da antiga URSS.
Neste vídeo temos o depoimento do comandante das operações Soviética no Brasil.
#sqn

A tradução é falsa. É uma entrevista sobre esse livro do link.

http://www.koob.ru/bushkov_aleksandr/red_monarch

Allan Dos Santos É falsa, professor. Quem tem mais informações é o Renor Oliver Filho do Terça Livre, mas ele não pode comentar aqui, Prof. Olavo de Carvalho.

*

WILLIAM FAULKNER:

17862552_10155143142977192_781587855069953671_n

Yuri Vieira Traduzi esse discurso em 2009:

“Senhoras e senhores, sinto que este prêmio não foi concedido a mim enquanto homem, mas a meu trabalho — o trabalho de uma vida na angústia e no sofrimento do espírito humano, não pela glória e menos ainda para obter lucro, mas para criar dos materiais do espírito humano algo que não existia antes. Assim, este prêmio está tão somente sob minha custódia. Não será difícil encontrar, para sua parte financeira, um destino condizente com o propósito e significado de sua origem. Mas eu gostaria de fazer o mesmo com esta aclamação também, utilizando este momento como o pináculo a partir do qual eu possa ser ouvido pelos jovens homens e mulheres já dedicados à mesma agonia e faina, entre os quais já está aquele que um dia estará aqui onde eu estou.

“Nossa tragédia, hoje, é um geral e universal temor físico suportado há tanto tempo que podemos mesmo tocá-lo. Não há mais problemas do espírito. Há somente a questão: quando irão me explodir? Por causa disto, o jovem ou a jovem que hoje escreve tem esquecido os problemas do coração humano em conflito consigo mesmo, os quais por si só fazem a boa literatura, uma vez que apenas sobre isso vale a pena escrever, apenas isso vale a angústia e o sofrimento.

“Ele, o jovem, deve aprendê-los novamente. Ele deve ensinar a si mesmo que o mais fundamental dentre todas as coisas é estar apreensivo; e, tendo ensinado isto a si mesmo, esquecê-lo para sempre, não deixando espaço em seu trabalho senão para as velhas verdades e truísmos do coração, as velhas verdades universais sem as quais qualquer estória torna-se efêmera e condenada — amor e honra e piedade e orgulho e compaixão e sacrifício. Antes que assim o faça, ele labora sob uma maldição. Ele escreve não sobre amor mas sobre luxúria, sobre derrotas em que ninguém perde nada de valor, sobre vitórias sem esperança e, o pior de tudo, sem piedade e compaixão. Sua atribulação não aflige ossos universais, não deixa cicatrizes. Ele escreve não a partir do coração mas das glândulas.

“Até que reaprenda estas coisas, ele irá escrever como se compartisse e observasse o fim do homem. Eu me recuso a aceitar o fim do homem. É bastante cômodo dizer que o homem é imortal simplesmente porque ele irá subsistir: que quando o último tilintar do destino tiver soado e se esvaecido da última rocha inútil suspensa estática no último vermelho e moribundo entardecer, que mesmo então haverá ainda mais um som: sua fraca e inexaurível voz, ainda a falar. Eu me recuso a aceitar isto. Creio que o homem não irá meramente perdurar: ele triunfará. Ele é imortal, não porque dentre as criaturas tem ele uma voz inexaurível, mas porque ele tem uma alma, um espírito capaz de compaixão e sacrifício e resistência. O dever do poeta, do escritor, é escrever sobre essas coisas. É seu privilégio ajudar o homem a resistir erguendo seu coração, recordando-o a coragem e honra e esperança e orgulho e compaixão e piedade e sacrifício que têm sido a glória do seu passado. A voz do poeta necessita ser não meramente o registro e testemunho do homem, ela pode ser uma das escoras, o pilar para ajudá-lo a subsistir e prevalecer.”

– See more at: http://blogdo.yurivieira.com/…/discurso-de-william…/

Olavo de Carvalho Fabuloso!

*

http://criticanacional.com.br/2017/04/10/ativismo-digital-contra-nova-lei-de-imigracao/

*

Domingo, voltando de Boston, paramos em Washington D.C. para a missa de Ramos, mas perdemos a das 9 h. na St. Mary’s e acabamos pegando a das 11 na St. Cyprian Church, que não conhecíamos. Só tinha negão, exceto a Roxane, eu, o celebrante (Monsenhor Charles Pope) e mais uns dois ou três. Foi a missa mais impressionante a que já assisti. Um coral fabuloso, só músicas no mais típico estilo americano antigo, um sermão arrebatador, a atmosfera inteira de alta tensão emocional — parecia que estávamos mesmo em Jerusalém vendo Cristo chegar. Impossível conter as lágrimas.

17880634_10155143968392192_7871834278863598140_o.jpg

Amostrinha do coro (gravada num outro dia):
https://www.youtube.com/watch?v=kqsvmBvhwVM

Xavier Gil Curiosidade: o senhor não gosta de avião ou apenas prefere mesmo viajar de carro?

Olavo de Carvalho Xavier Gil Nem avião, nem carro. Motor-home, com cama, banheiro e cozinha. Isto sim é que é viajar.
Olavo de Carvalho Pedro Ivo Albuquerque Costa A Roxane. Eu é que não. Só um doido varrido me daria uma carteira de motorista.
*
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s