Poema

Por Olavo de Carvalho
Nasceste nesse mundo sem sair do eterno
e para lá voltaste sem sair daqui.
Expulsaste os demônios no fundo do inferno
sem nem descer do trono que pertence a ti.
Ferido e mutilado no topo da cruz
resgatavas da morte eterna teus algozes
que, ao pregar no madeiro duro aos teus pés nus
sorviam como delícias tuas dores atrozes.
Não perdestes nenhum dos que o Pai te entregou,
mesmo os que relutavam em seguir teus passos
sem saber que só em ti podem dizer Eu Sou.
Salva-nos por teus méritos, encarnação do verbo
cujos os nossos são falsos e escassos
e nem para louvar-te jamais bastarão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s