9/1/2017

*

Está muito bem que as pessoas se interessem pelos escritos da chamada “escola tradicionalista”, mas tudo o que René Guénon, Titus Burckhardt e “tutti quanti” escreveram sobre o simbolismo dos números — a linguagem essencial de todo esoterismo — é apenas um joguinho de jardim-da-infância quando comparado ao que o Mário Ferreira dos Santos fez em “Pitágoras e o Tema do Número” e sobretudo em “A Sabedoria das Leis Eternas” e demais volumes da série “Mathesis”. Com a vantagem adicional de que o Mário não tinha nenhuma agenda secreta, não estava recrutando ninguém para alguma sociedade esotérica nem muito menos alimentava planos de islamizar o Ocidente. Não tinha nada a esconder. Explicarei isso melhor nas aulas vindouras e no meu próximo livro.

*

Esse sr. Celso Rocha de Barros, colunista da Folha e consulpone do Banco Central, é um analfabeto funcional mais analfabeto do que funcional, que não consegue ler o que ele próprio escreve.
Com o risco de atrair para ele alguns leitores que por seus méritos próprios ele jamais alcançaria, coloco aqui uma singela observação sobre o seu artigo de hoje no jornal do sr. Frias. Deixo de lado os erros históricos colossais e chamo a atenção para um ponto somente:
Comparem estes dois parágrafos, separados um do outro por apenas sete linhas:
1) “No pós-guerra, o capitalismo reconstruiu sua hegemonia gloriosamente. Iniciou-se um novo ciclo de prosperidade nas sociedades de mercado. Os trabalhadores foram reconquistados para o capitalismo com políticas sociais e keynesianismo.”
2) “Até agora, como documentou Daniel Drezner em ‘The System Worked’, as instituições foram capazes de impedir um retorno generalizado ao protecionismo, que em 1929 fez a crise financeira ter consequências muito piores.”
No parágrafo 1 o keynesianismo, uma política marcadamente protecionista, havia salvado o capitalismo e reconquistado para ele o apoio dos trabalhadores. Já no parágrafo 2 o capitalismo salvou-se porque soube livrar-se do protecionismo que ameaçava dar cabo da sua existência.
Como uma coisa se transfigurou na outra o sr. Barros não precisa explicar, já que não percebe que são diferentes.
Em vista disso, concluo que ele faz muito bem de trabalhar no Banco Central, já que, para sobreviver com uma cabeça dessas, só mesmo com um emprego público.

*

Segundo a contagem na minha fan-page, em apenas três minutos dei ao sr. Celso Rocha de Barros quatro mil leitores que sem isso jamais teriam ouvido falar dele. Em 24 horas ele será tão popular quanto as camisinhas.

*

Às vezes é inútil mandar um brasileiro estudar no Exterior. O sujeito passa anos em Oxford, em Paris ou em Heidelberg mas seu cérebro não saiu de Vila Nhocunhé.

*

Perguntar não ofende. Por que, se um banqueiro italiano ou brasileiro financia uma organização genocida, ninguém culpa por isso a Itália ou o Brasil, mas, se o banqueiro é judeu, a culpa é sempre de um treco chamado “os judeus”?

*

Como já informei, tem muito neguinho por aí cujo momento de maior glória será gravado numa placa de ouro para ele mostrar aos netos: O OLAVO DE CARVALHO CHUTOU O MEU CU.

*

Quase todos os caçadores de leões e ursos que aparecem no Youtube são velhos. Essa coisa custa um dinheirão, o sujeito passa a vida economizando para poder pagar um guia. Quando consegue, já está quase gagá, como eu.

Sem guia, a coisa é como procurar uma girafa na praia de Copacabana.

*

Meu sonho era caçar ursos com o maior guia de todos os tempos, Robert Cusack. Custa apenas 50 mil dólares. Fodeu.

Esse cara encontra urso até numa caixa de fósforos.

*

Olavo Mendonça

Quadro que retrata a batalha de Lepanto.
Uma pequena lembrança para todos nós, aqui em casa, que quem vence as batalhas é Deus e, com a intercessão da Santíssima Virgem Maria, nada é impossível.

15941283_1326195937443943_7129323294055279102_n

Não custa lembrar que nessa batalha, assim como na de Viena, os protestantes estavam do lado dos muçulmanos.

*

Por que tantos cidadãos continuam levando a sério as opiniões de atores do show business? Afinal, como dizia o filhinho do Charlton Heston, um ator é apenas “alguém que finge ser os outros”.

*

Há uma enorme coleção de vídeos no Youtube com o título geral “Não mexe com quem tá quieto”. São muito educativos. Recomendo a tipos como Arruinaldo Azevedo, Marco Antonio Vil e esse tal de Barros da Fôia de São Paulo.

Daniel Bastos Que Barros?
Olavo de Carvalho Celso Rocha de Barros.

*

Para impedir que leões, ursos e tigres comam todos os bichos domésticos em torno e ainda levem umas pessoas de quebra, é preciso matar um certo número deles. Só há duas maneiras de fazer isso: ou o governo permite a caça, ou paga uma legião de funcionários públicos para que façam o serviço. A segunda solução é tão imbecil e contraproducente que NEM OS PAÍSES COMUNISTAS JAMAIS A ADOTARAM.

*

Já expliquei mil vezes — mas não adianta — que “caça esportiva” é apenas uma figura de linguagem, uma metonímia. O ser humano só caça por três motivos: proteção, alimentação (própria ou de pessoas necessitadas) e comércio. “Caça esportiva” é apenas o treinamento para fazer essas três coisas, não é jamais uma finalidade em si. Prêmios e troféus funcionam apenas como incentivo ao aprendizado. Ou vocês acham que o caçador que mata um veado pendura a cabeça dele na parede e joga a carne fora?

Tribos inteiras da África teriam morrido de fome sem os elefantes que o Jorge Alves de Lima Filho matou para elas.

*

É esse o ÚNICO jeito de mudar o Brasil.

*

No Alasca só os nativos têm autorização para caçar sem guia. Esquimó já nasce caçando.

*

Muitos dos que ensejavam a minha morte já morreram. Praga de urubu.

15871630_838822459554572_8902181469974335057_n.jpg

*

Pelas reações histericamente odientas à eleição do Trump pode-se medir a SERIEDADE INFLEXÍVEL da decisão da esquerda de derrubar o sistema americano e substitui-lo por uma mescla de socialismo e islamismo. Essa gente nunca esteve de brincadeira, nem disposta a ceder UM MILÍMETRO do terreno conquistado.

*

Feminismo e gayzismo só servem para uma coisa: apressar o triunfo do Islam que vai escravizar as mulheres e matar os gays. Qualquer simpatia por esses movimentos denota um grau de burrice histórico-política similar ao dos comunistas alemães que, combatendo a socialdemocracia, facilitaram a ascensão do nazismo e depois morreram nos campos de concentração junto com os socialdemocratas.

*

Será que essa gente não estudou, no ginásio, nem mesmo o bom e velho paralelogramo de forças? São mesmo incapazes de compreender que não se faz política escolhendo os lados simpáticos e odiando os antipáticos sem levar na mais mínima conta o resultado final da confluência de fatores?

*

Há um tipo de inimigos que não se pode “vencer”. Só destruir.

*

Quanto pinto!

15941061_1328368693881025_7179600843509232248_n

Antes mesmo da posse. Donald Trump já criou, em dois meses, mais empregos do que Obama criou em oito anos. Deve ser isso o que a Michele quis dizer ao afirmar que “não há mais esperança”. Não há mesmo. Não há mais esperança de melhorar a imagem do seu maridinho.

http://www.infowars.com/trump-already-creating-more-jobs-than-obama/

*

Nenhum cu que se preza acredita que existem pintos radicais e moderados.

*

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s