Apelo a pais e mães

Sempre apelo a pais e mães, com o risco de me defrontar com o seu ceticismo e até com uma ponta de escárnio: Custe o que custar, nunca façam a sua criança chorar. Nunca. Nem sob os pretextos mais lindamente moralizantes. Uma criança pequena (digamos, até uns cinco anos) se esquece muito facilmente de um conselho, de uma ordem, de uma repreensão, mas o SENTIMENTO que isso lhe infundiu permanece para sempre, totalmente separado do conteúdo lógico e moral que você pretendia lhe transmitir. Você quis ensinar moral, disciplina, bom comportamento, mas ensinou só tristeza, raiva, ressentimento, depressão. O aprendizado das regras morais só é possível quando a criança alcançou um domínio lingüistico suficiente para poder reagir antes com a inteligência mais fina do que com a emoção imediata. No começo da vida, só o que interessa é transmitir à criança aquele amor incondicional que infundirá nela, justamente, a segurança emocional que a tornará capaz, mais tarde, de introjetar regras de comportamento sem excessivo dispêndio de energia emocional. Isso deveria ser óbvio à primeira vista, mas quantos pais e não vêm, em resposta, brandir na minha cara um exemplar da Bíblia e falar das virtudes das reprimendas e castigos, sem que nunca lhes ocorre perguntar de que idade são os filhos e filhos que a Bíblia manda reprimir e castigar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s